Carta manuscrita de Lincoln é leiloada em Nova York por US$ 3,4 milhões

Nova York, 3 abr (EFE).- A resposta, que o presidente Abraham Lincoln enviou, em 1864, aos jovens que lhe pediram a libertação das crianças escravas, foi vendida hoje em Nova York por US$ 3,4 milhões, em um leilão organizada pela Sothebys.

EFE |

A venda desta carta atingiu um preço recorde, e se transformou assim no manuscrito mais caro já vendido, não só do ex-presidente Lincoln, mas de todos os manuscritos americanos postos à venda, segundo informou a casa de leilões.

O comprador desta valiosa carta é um colecionador particular americano, que fez o arremate por telefone.

Junto com a coleção de cartas manuscritas pelo presidente Lincoln (1809-1865) foram leiloados outros documentos de importantes personagens da história dos Estados Unidos, como o general Robert Lee.

Também foi vendido por US$ 937 mil um autógrafo de Lincoln no dia da consagração do cemitério de Gettysburg, e que, segundo declarou a Sotheby's, o valor inicial era entre US$ 800 mil e US$ 1,2 milhões.

Na carta leiloada, Lincoln respondia a outra enviada por uma mulher de Concord (Massachussets), em que eram recolhidos os pedidos de 195 crianças e à qual o presidente respondia: "Por favor, diga a essas crianças que me satisfaz que seus jovens corações estejam tão cheios de simpatia justa e generosa".

Em plena guerra civil americana, Lincoln assinou a lei preliminar que proclamava a emancipação dos escravos no dia 22 de setembro de 1862, e no dia primeiro de janeiro de 1863, ocorreu a emancipação oficial em todos os estados, mas muitos milhões deles não foram livres até julho de 1865, quando se ratificou a décima terceira emenda da Constituição.

Além desse manuscrito, a Sotheby's vendeu uma centena de outros documentos históricos dos EUA, entre eles uma dúzia de cartas e relatórios elaborados pelo general confederado Robert Lee (1807-1870) ao longo de sua carreira militar.

Também foram leiloados outros documentos do primeiro presidente dos EUA, George Washington (1732-1799), assim como de seus sucessores Thomas Jefferson (1743-1826), John Quincy Adams (1767-1848) e Jefferson Davis (1808-1889), entre outros.

Objetos pessoais e fotografias pertencentes ao falecido músico americano James Brown serão leiloadas em julho, informou hoje a Christie's.

Nessa venda pública, se inclui toda uma série de pertences do lendário músico como alguns de seus instrumentos musicais, prêmios que recebeu, móveis, fotografias e outros objetos pessoais, indicou a casa de leilões em comunicado. EFE atc-emm/bf/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG