Carro-bomba mata 16 e fere 40 em mercado de Bagdá

BAGDÁ (Reuters) - A explosão de um carro-bomba em um bairro comercial movimentado no norte de Bagdá matou 16 pessoas e feriu outras 40 nesta quinta-feira, disse a polícia, no mais recente ataque de uma série de atentados na capital iraquiana. Quatro crianças e quatro mulheres estavam entre os mortos da explosão, ocorrida perto de um terminal de ônibus e de um mercado popular no bairro Shaab, de maioria xiita.

Reuters |

Na quarta-feira, autoridades de segurança norte-americanas e iraquianas celebraram uma grande queda no índice de violência no país, que eles alegam estar em seu menor nível desde meados de 2003, mas insurgentes têm mostrado que ainda são capazes de lançar grandes ataques.

Explosões persistentes demonstram os desafios que as forças de segurança iraquianas enfrentam enquanto os Estados Unidos se preparam para retirar todas as suas tropas de combate do país até o dia 31 de agosto de 2010.

"Ouvimos duas explosões, uma delas foi fraca, mas a outra foi muito mais alta", afirmou um lojista, Raed, cujo estabelecimento foi sacudido pela explosão. "Vi corpos no chão por todos os lados, incluindo quatro ou cinco mulheres e um menino pequeno."

Realizar atentados em locais lotados de gente para maximizar o número de mortes é a tática favorita da Al Qaeda, que perdeu influência em regiões de Bagdá que antes costumava controlar, mas está querendo mostrar que ainda não foi derrotada. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pela ação.

Um ataque em uma região xiita também pode ser uma tentativa do grupo sunita de recomeçar os assassinatos sectários que quase destruíram o Iraque em 2006 e 2007.

O analista político Kadhum al-Muqdidi, professor da Universidade de Bagdá, afirmou que, se esse for o objetivo, o ataque não deve ter êxito, já que poucas pessoas continuam tolerando tantas mortes.

"A fenda sectária não pode ser reaberta facilmente. Acho que esses ataques permanecem isolados e seus efeitos, passageiros", afirmou.

Mas ele acrescentou que sinais de insegurança podem afastar investimentos em um momento no qual o país passa por uma necessidade urgente de reconstrução.

Na segunda-feira, uma bomba em um terminal rodoviário no bairro de Abu Ghraib matou nove pessoas e feriu 23. Em 10 de março, um militante suicida matou pelo menos 28 pessoas na mesma região, localizada nos subúrbios da capital.

(Reportagem de Aseel Kami, Yaseen Abid Zed e Khalid al-Ansary)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG