Carro-bomba explode perto de base aérea da Otan em Cabul

Por Akram Walizada e Sayed Salahuddin CABUL (Reuters) - Um homem-bomba explodiu seu veículo na terça-feira em frente à base aérea da Otan no principal aeroporto de Cabul, matando pelo menos três civis, no maior ataque na capital afegã desde a eleição presidencial de 20 de julho.

Reuters |

O ataque foi mais uma demonstração de como a segurança tem piorado em meio ao impasse pós-eleitoral e à rápida queda do apoio ao conflito entre a opinião pública ocidental.

O policial Abdul Ghafar Sayedzada disse que três civis morreram e seis ficaram feridos no atentado. A capitão Elizabeth Mathias, assessora de imprensa da força da Otan no Afeganistão, disse que quatro militares ficaram levemente feridos.

Um comerciante que testemunhou a explosão disse à Reuters que o homem-bomba detonou seus explosivos perto de uma das entradas, no lado militar do aeroporto.

"Um homem-bomba num carro Surf (veículo off-road) se explodiu perto do portão (vigiado por) guardas nepaleses," disse o comerciante, que se identificou como Izmarai.

"Outro homem estava andando de bicicleta e caiu no chão. A polícia retirou outro ferido."

Enormes chamas subiam no local da explosão, e sirenes eram ouvidas num raio de vários quilômetros. O aeroporto de uso civil e militar já sofreu vários ataques com foguetes e um atentado suicida do Taliban no passado.

Um porta-voz do grupo islâmico disse por telefone, de local não revelado, que os militantes visavam alvos ocidentais. Há menos de um mês, um atentado do Taliban junto à sede da Otan em Cabul matou pelo menos sete pessoas e feriu cem.

O aumento da violência no Afeganistão abala o apoio popular à guerra nos EUA, que tem cerca de 65 mil soldados no país --de um total de 103 mil estrangeiros.

A guerra também gera polêmica na Alemanha, a poucas semanas de uma eleição geral do país, depois que tropas alemãs solicitaram um bombardeio norte-americano no Afeganistão, na semana passada, que matou muitos civis.

O presidente Hamid Karzai qualificou como "erro de julgamento" aquele ataque a caminhões-tanque que haviam sido roubados.

A Otan disse estar investigando o incidente, e na terça-feira a força internacional admitiu em nota pela primeira vez que civis morreram no bombardeio, na sexta-feira.

O secretário alemão de Defesa, Franz Josef Jung, resistiu à pressão por sua renúncia devido ao incidente --o mais letal envolvendo tropas alemãs desde a Segunda Guerra Mundial. Jung afirmou que o ataque era necessário, e que as informações em seu poder indicavam que apenas combatentes do Taliban haviam sido mortos.

A chanceler Angela Merkel deve comparecer ainda na terça-feira ao Parlamento para explicar a estratégia do seu governo.

O comandante das forças estrangeiras no Afeganistão, o general norte-americano Stanley McChrystal, que assumiu o cargo há três meses prometendo proteger os civis, foi à TV assegurar à população local que está investigando o caso.

No campo político, as autoridades eleitorais devem anunciar na terça-feira resultados mais completos da votação de 20 de agosto. Com 74 por cento das seções apuradas, Karzai estava ligeiramente aquém dos 50 por cento de votos necessários para evitar um segundo turno.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG