Carlos Fernández: um novo ministro argentino da Economia fiel a Kirchner

Carlos Fernández, o novo ministro argentino da Economia escolhido pela presidente Cristina Kirchner, é um especialista em finanças públicas de 54 anos e homem freqüentemente consultado por seu padrinho político, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007).

AFP |

"Com minha nomeação nada deve mudar" dentro do alinhamento da economia, afirmou Fernández nesta sexta-feira, em uma improvisada coletiva à imprensa na porta de sua casa.

Formado em Economia, estudou na prestigiada Universidad Nacional de La Plata (60 km ao sul), a mesma freqüentada pelo casal Kirchner na década de 70, embora sua aproximação do âmbito presidencial tenha sido muito mais recente.

De perfil técnico, Carlos Fernández foi ganhando a confiança de Kirchner desde 2006, quando foi nomeado secretário da Fazenda e passou a ser consultado quase que diariamente pelo então governante a respeito do estado das contas públicas.

Naquela época, Fernández protagonizou uma dura discussão com o Fundo Monetário Internacional (FMI), defendendo uma política fiscal do governo quando o organismo realizava sua habitual avaliação das economias de seus países membros.

Em 2007 foi ministro da Economia da província de Buenos Aires, maior distrito do país, onde vivem 14 dos 40 milhões de argentinos, mas voltou a ser chamado para o governo federal em dezembro do ano passado, após a eleição de Cristina Kirchner, para ocupar a subsecretaria de Avaliação Orçamentária.

O cargo permitiu que Fernández levasse relatórios diários a Néstor Kirchner a respeito das contas federais, já que o ex-presidente compartilha, de fato, o poder com sua mulher.

Há pouco mais de um mês, Fernández foi designado para assumir a entidade arrecadadora AFIP, posto chave para as contas fiscais, depois de uma disputa entre seu ex-titular Alberto Abad e o ex-chefe da Aduana, Ricardo Echegaray, o que custou o cargo a ambos.

"Para mim é um reconhecimento muito grande, é um enorme orgulho. Há anos que trabalho com este Governo e vou fazer tudo o que estiver a meu alcance para este país do qual gosto muito", disse Fernández horas antes de assumir.

Pai de três filhos, tem uma longa trajetória técnica no funcionalismo público, desde muito antes de se aproximar do kirchnerismo.

Foi diretor nacional de Coordenação Fiscal com as províncias, do ministério da Economia entre 1989 e 1997, durante a presidência do peronista neoliberal Carlos Menem (1989-99), e entre 1997 e 2003 foi subsecretário de Política e Coordenação Fiscal da província de Buenos Aires.

ls/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG