Carla Bruni, Sarkozy e Governo dos EUA são alvos do Dia da Mentira

Redação central, 1º abr (EFE) - O presidente francês, Nicolas Sarkozy, recorre a um alongamento de ossos; sua esposa, Carla Bruni, ensina bom gosto aos britânicos; o site de busca Google compra o Governo americano; estas foram algumas brincadeiras da imprensa dos países que comemoram hoje o Dia da Mentira. Como não podia deixar de ser, o casamento mais midiático de 2008 monopolizou as atenções dos jornalistas neste dia que tem diferentes nomes de acordo com o país, como Dia dos Tolos no Reino Unido e nos Estados Unidos e Peixe de Abril na França e na Itália. O jornal britânico The Guardian se encarregou de divulgar que o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, quer aproveitar a Carlamania surgida no país para que a primeira-dama da França, Carla Bruni, se instale em Londres e ajude a melhorar o estilo dos cidadãos locais. De acordo com a brincadeira, Brown disse que seu país sofreu durante muito tempo de complexo de inferioridade em relação a países da Europa continental como França e Itália. A inferioridade física é o que teria levado Nicolas Sarkozy, segundo o tablóide britânico The Sun, a querer se submeter a várias intervenções cirúrgicas para esticar seus ossos e, assim, ficar mais alto que sua nova esposa. Do outro lado do Atlântico, o Governo americano foi adquirido pelo Google por apenas US$ 4 bilhões, pagos com ações próprias, segundo o site InfoWorld. Ou fazíamos isto ou passaríamos um enorme déficit para a geração se...

EFE |

E frente a essa pequena cifra, o Google teria desembolsado a nada desprezível quantia de US$ 25 bilhões para adquirir 98,4% da rede social on-line Facebook.

Segundo o "InfoWorld", o executivo-chefe do Google, Eric Schmidt, afirmou que se os empregados de Facebook decidirem mudar de empresa após a aliança, o site de busca "adquirirá essa companhia e todas as outras".

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, também foi alvo das brincadeiras jornalísticas, desta vez na Rússia, onde a agência de notícias "Interfax" afirmou que ela teria comprado um luxuoso apartamento em Minsk, apesar das más relações entre EUA e Belarus.

O texto diz que Rice - que considera Belarus um dos "redutos da tirania" no mundo - adquiriu um apartamento de 116 metros quadrados no centro histórico de Minsk por cerca de US$ 350 mil.

O futebol foi o tema escolhido pela Suíça, sede da Eurocopa 2008 junto com a Áustria em junho. A imprensa suíça mexeu com o orgulho de receber o evento ao provocar os cidadãos locais.

A rádio "Suisse Romande" causou hoje alarde em milhares de torcedores ao "informar" que grandes defeitos foram detectados no estádio de Genebra, que deverá receber várias partidas, o que teria levado à suspensão das mesmas e à decisão de realizá-las em algum gramado da vizinha França.

Além disso, o jornal "St. Galler Tagblatt" brinca com as poucas perspectivas de vitória da Suíça, ao dizer que uma equipe de apoio psicológico foi criada para lidar com os torcedores do país.

Na Itália, a cultura foi o principal alvo das brincadeiras. Na edição italiana do site de comércio on-line eBay havia hoje o seguinte anúncio: "Vende-se ponte original de arquiteto famoso sobre o Grande Canal de Veneza devido ao desuso. Estrutura de aço e vidro.

Está nova, mas falta a certidão".

A ponte em questão é a desenhada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava e que está em construção na cidade italiana. Seu preço de saída era de US$ 155 dólares e, horas depois, alcançou os US$ 118 mil; envio e embalagem são de graça.

Em Verona, no norte da Itália, foi pendurado um cartaz de "vende-se" sobre um dos locais mais visitados da cidade: a varanda onde Julieta encontrava seu amado Romeu.

O cartaz de uma suposta agência imobiliária com a frase em inglês e em alemão deixou os turistas pasmos, até que se deram conta de que o anúncio tinha sido idealizado por uma associação que reúne as atividades culturais em Verona como parte do Dia da Mentira.

Outra construção que corre perigo é a da muralha do Kremlin na Rússia, já que, segundo a edição de hoje do jornal russo "Moskovski Komsomolets", ela será pintada de branco para adequar sua cor, "como foi feito pela última vez em 1913".

A publicação inclusive apresentou dados do orçamento aprovado pela Presidência russa, que chegaria a "três milhões de rublos" (cerca de US$ 127 mil). EFE int/bba/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG