Carla Bruni afirma que sofre quando seu marido é criticado

Paris, 11 jul (EFE).- A cantora e ex-modelo Carla Bruni disse hoje ser sensível ao que é dito pela opinião pública sobre seu marido, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, que desde que foi eleito em maio de 2007, caiu nas pesquisas.

EFE |

"Sofro quando (a opinião pública) não é positiva e fico feliz quando é positiva", afirmou em uma entrevista à rede de televisão "TF1" por ocasião do lançamento hoje de seu primeiro disco como primeira-dama da França, "Comme si de rien n'était" ("Como se não fosse nada", em tradução do francês).

Bruni, de 40 anos, afirmou que também é sensível à "incrível vontade" de seu marido de "ir até o final de suas promessas".

A cantora, de origem italiana, que acaba de se nacionalizar francesa, disse que em nenhum momento pensou em não lançar este álbum, no qual fala dos numerosos amantes que marcaram a sua vida e de sua nostalgia pela passagem do tempo.

"Estou submetida ao amor e é muito belo, mas não sou uma mulher submissa", declarou.

No entanto, reconheceu que falou com Sarkozy antes de gravar seu novo trabalho.

"Conversei muito com meu marido e decidi, depois de ele estar de acordo e inclusive dar seu apoio, fazer este disco e cumprir meus compromissos, porque era um compromisso assumido antes de conhecê-lo", apontou.

Bruni se tornou a terceira esposa de Sarkozy em fevereiro em cerimônia no Palácio do Eliseu.

"Tenho medo do olhar do público... Tenho medo, mas não gostaria de decepcioná-lo", disse sobre seu novo disco, o terceiro em sua carreira como cantora.

Em 2003, Bruni se transformou na revelação do mercado musical francês com "Quelqu'un m'a dit" ("Alguém me disse", em francês), que vendeu mais de um milhão de cópias, e em 2007 lançou "No promises" ("Sem promessas", em inglês), vendendo quase 400 mil discos.

A cantora, que entregará os direitos autorais de "Comme si rien n'était" à Fundação França para obras humanitárias, anunciou que por motivos de segurança não fará shows enquanto for primeira-dama e divulgará sua música pela televisão. EFE ik/bm/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG