como afirmou segunda-feira em Santiago. E, na Itália, as declarações foram criticadas com veemência por partidos políticos de todas as correntes e por associações de defesa dos homossexuais." / como afirmou segunda-feira em Santiago. E, na Itália, as declarações foram criticadas com veemência por partidos políticos de todas as correntes e por associações de defesa dos homossexuais." /

Cardeal é pressionado a provar vínculos entre homossexualidade e pedofilia

Autoridades, médicos e movimentos de defesa de grupos homossexuais no Chile pediram ao secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, que prove as ligações da homossexualidade com a pedofilia, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/04/12/para+cardeal+pedofilia+e+ligada+a+homossexualismo+nao+celibato+9456123.htmlcomo afirmou segunda-feira em Santiago. E, na Itália, as declarações foram criticadas com veemência por partidos políticos de todas as correntes e por associações de defesa dos homossexuais.

AFP |

AFP
Cardeal Bertone

Cardeal Bertone

"Não tenho essa opinião, gostaria de conhecer os estudos científicos que ele diz ter. Tenho uma grande estima pelo Cardeal Bertone, mas tenho a sensação de que nesse caso ele está equivocado", afirmou o senador chileno democrata-cristão Patricio Walker.

"Estudei o tema, não sou psiquiatra, mas advogado. No entanto, já apresentei muitos projetos contra a pedofilia, que agora viraram lei. A pedofilia é um transtorno mental de caráter sexual que afeta homossexuais e heterossexuais", comentou.

"Essa ligação foi desacertada. O celibato causa mais danos a um ser humano que a condição de homossexualidade, opção tomada livremente. Estou constrangido com as palavras desse alto dignatário da Igreja", afirmou por sua vez o deputado comunista Hugo Gutiérrez.

"Nunca vamos parar de nos surpreender com as declarações dessas pessoas. A Igreja deveria ser mais bondosa e caridosa com os homossexuais, em vez de ficar atribuindo pecados a eles", completou.

O líder do Movimento de Integração e Libertação Homossexual (Movilh), Rolando Jiménez, também exigiu que o cardeal mostrasse provas que justificassem suas afirmações.

Especialistas médicos também descartaram a ideia. "Não me parece possível pensar que haja uma relação direta entre o homossexualidade e a pedofilia", disse a professora da Universidade do Chile Tamara Galleguillos.

Ela afirmou que durante seu trabalho no Serviço Médico Legal do Chile "os heterossexuais pedófilos eram vistos de forma igual aos homossexuais pedófilos, não eram diferenciados".

Na segunda-feira, o número dois do Vaticano afirmou que a pedofilia entre os sacerdotes tem mais relação com a homossexualidade que com o celibato .

"Muitos psicólogos e psiquiatras demonstraram que não há relação entre celibato e pedofilia, mas muitos outros demonstraram, e me disseram recentemente, que há relação entre homossexualidade e pedofilia. Isso é verdade, esse é o problema", completou.

Bertone anunciou que o Vaticano tomará novas iniciativas surpreendentes contra a pedofilia. "Não posso antecipar, mas outras iniciativas estão sendo pensadas", disse o cardeal.

Itália

Na Itália, a deputada Anna Paola Concia, da maior formação de centro-esquerda, o Partido Democrático, manifestou "indignação", pedindo que Bertone retire suas declarações por serem "violentas, desumanas e graves".

"É muito desagradável que altos hierarcas da Igreja Católica façam análises tão simplórias, baseadas em teses falsas, desmentidas pela Organização Mundial de Saúde e que, além disso, não são compartilhadas pela maioria dos católicos", afirmou.

Enrico Oliari, presidente do movimento italiano de centro-direita de defesa dos homossexuais, Gaylib, considerou "preocupante" que um alto membro da Igreja "empregue argumentos tão fora de moda, mesmo no Terceiro Mundo".

O ex-líder da maior associação de esquerda de defesa dos direitos dos homossexuais, Arcigay, Aurelio Mancuso, pediu que o cardeal Bertone siga seus próprios princípios e "expulse todos os homossexuais do clero e da Cúria Romana".

"Não se pode vincular a orientação sexual à pedofilia, negando uma realidade tão grave. Isso pode ser perigoso para a própria proteção das crianças", comentou a deputada de direita Alessandra Mussolini, presidente da comissão do Parlamento italiano para a Infância e a Adolescência.

Leia também:

Leia mais sobre Igreja Católica

    Leia tudo sobre: igreja católicavaticano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG