Capriles é favorito da oposição em primárias na Venezuela

Partido da oposição escolhe no domingo candidato que disputará eleições presidenciais de outubro contra Hugo Chávez

Reuters |

AFP
Henrique Capriles, que tenta vencer as primárias para se tornar o candidato presidencial da opositora Unidade Democrática, durante evento em Caracas, Venezuela (07/02)
A oposição na Venezuela vota neste domingo em uma primária que provavelmente indicará o jovem governador Henrique Capriles como candidato para enfrentar o presidente Hugo Chávez na eleição de outubro .

Viagem: Hugo Chávez anuncia visita ao Brasil em março

Polêmica: Filha de Chávez divulga foto com mão cheia de notas de dólares

Derrotados por Chávez desde 1998, os líderes da oposição esperam que a votação em todo o país galvanize suas fileiras, produza um candidato da unidade e os ajude a desalojar Chávez, político socialista, cujo mix de gastos sociais e hostilidade à economia de mercado divide a população do país.

As pesquisas mostram que Capriles, de 39 anos, está 20 pontos percentuais à frente do rival mais próximo, o governador do Estado de Zulia, Pablo Pérez. Capriles, governador do Estado de Miranda, diz se inspirar no modelo do Brasil - onde o governo tem uma preocupação social e mantém boas relações com o mercado.

Um forte comparecimento às urnas no domingo ajudaria a oposição em uma campanha na qual espera retratar Chávez, de 57 anos, como um ideólogo da era da Guerra Fria que perdeu o foco nos problemas do cotidiano, como criminalidade e desemprego.

"Não sou imperialista. Esses debates são de 50 anos atrás, quando eu nem era nascido", afirmou Capriles recentemente, referindo-se ao bordão de Chávez para seus inimigos. "Esse é um debate entre a estagnação e o progresso."

Os cinco pré-candidatos nas primárias percorreram toda a Venezuela, dos Andes à Floresta Amazônica, atacando a política de Chávez e prometendo união para apoiar o vencedor de domingo.

Embora a maioria tenha evitado o confronto com Chávez e preferido ressaltar a preocupação com a criminalidade e com a criação de empregos, a única candidata, Maria Corina Machado, esquentou a campanha com uma torrente de ataques contra o presidente.

Chamada de "burguesinha" pelo presidente, ela saltou para o terceiro lugar nas pesquisas após uma discussão no Congresso durante um discurso de nove horas e meia de Chávez, no qual ela associou as nacionalizações dele a roubo.

A votação para a escolha do candidato da coalizão da Unidade Democrática ajudará a virar a página de uma década de disputas entre os oposicionistas.

    Leia tudo sobre: venezuelaeleição na venezuelacaprileschávez

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG