Uma pesquisa da Universidade de Abertay, na Escócia, afirma que pessoas canhotas podem ser mais ansiosas, tímidas ou se sentirem constrangidas para dizer ou fazer o que querem. Os canhotos têm mais chances de hesitar (frente a uma situação), enquanto que destros tendem a se jogar mais, afirmou Lynn Wright, que chefiou a pesquisa.

E este parece ser o caso quando uma tarefa ou situação é nova ou diferente.

Em testes de inibição comportamental, 46 homens e mulheres canhotos pontuaram mais do que os 66 destros testados. Mulheres também pareciam ser ainda mais hesitantes do que homens.

Wright e a equipe de pesquisadores da universidade escocesa chegaram a estes resultados ao fornecerem aos voluntários um teste comportamental que avalia controle pessoal e impulsividade, traços de personalidade que parecem ter origem em lados opostos do cérebro.

Conexão
Os cientistas descobriram que, comparados aos destros, canhotos e mulheres tinham mais probabilidade de concordarem com afirmações como "Temo cometer erros" e "Críticas ou censuras me magoam".

Todos os grupos responderam de forma semelhante a declarações como "Costumo agir de forma impulsiva" e "necessito excitação e novas sensações".

Lynn Wright acredita que estes resultados se devem a diferenças nas conexões dos cérebros dos canhotos e dos destros.

"Nos canhotos o lado direito do cérebro é dominante e este é o lado que parece controlar os aspectos negativos da emoção. Nos destros, o lado esquerdo domina", afirmou.

Mas, a equipe de pesquisadores afirmou que o fato de que algumas pessoas usam mais o lado direito do cérebro ao invés do lado esquerdo não é um indicador de suas personalidades de forma nenhuma. Este traço simplesmente fornece uma percepção de como as emoções são processadas.

Na verdade, segundo os cientistas, é a forma pela qual processamos informações e emoções que nos diferencia um do outro. Se fosse de outra forma, todas as pessoas que participaram de um evento, por exemplo, teriam a mesma opinião a respeito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.