Candidatos asseguram que Micheletti e Zelaya estão dispostos a se reunir

Tegucigalpa - Os candidatos à Presidência de Honduras nas eleições de novembro asseguraram nesta quinta-feira que tanto o presidente deposto, Manuel Zelaya, como o governante de fato, Roberto Micheletti, estão dispostos a dialogar para encontrar uma solução à crise.

EFE |

"Os dois estão dispostos a voltar à mesa de diálogo no marco do acordo de San José", disse Elvin Santos, candidato do governante Partido Liberal, ao que pertencem tanto Micheletti como Zelaya, depois de se reunir com ambos nesta quinta.

Em igual sentido se manifestou Porfirio Lobo, candidato do opositor Partido Nacional, que, após a reunião com o deposto presidente, afirmou que "tanto Micheletti como Zelaya estavam muito flexíveis".

"Eles disseram que estão dispostos a fazê-lo, há muita vontade em ambos, vejo muita vontade de reunir-se", disse Lobo, que tomou parte nos encontros junto a, além de Santos, Felícito Ávila, da Democracia Cristã, e Bernard Martínez, do Inovação e Unidade.

Lobo disse que o Acordo de San José, que impulsionou nos últimos meses o presidente de Custar Rica, Oscar Arias, é o "comum marco de trabalho" para esse diálogo.

Perguntado pelo ponto central do Acordo de San José, o retorno de Zelaya ao poder, o político conservador afirmou que "o importante é que haja vontade de sentar-se. Uma vez que se sentem, com certeza que chegam a acordos", afirmou.

Em declarações divulgadas por meios de comunicação locais, Zelaya indicou que vai "continuar este diálogo" que começou com diferentes setores, e reconheceu "o esforço" que fizeram os candidatos ao reunir-se com ele.

Por sua parte, o ministro da Presidência, Rafael Pineda, indicou a jornalistas que, em caso que se acordasse, a reunião entre Zelaya e Micheletti poderia produzir-se em "um lugar neutro".

Leia mais sobre: Honduras

    Leia tudo sobre: crise políticahonduraszelaya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG