Candidato derrotado à Presidência do Irã anuncia aparição pública

O candidato derrotado à Presidência do Irã, Mir Hossein Mousavi, anunciou que fará nesta sexta-feira, durante o tradicional dia de orações islâmico, sua primeira aparição pública após várias semanas.

BBC Brasil |

Em uma mensagem publicada em seu site na Internet, Mousavi afirmou que irá participar das orações na Universidade de Teerã para mostrar solidariedade àqueles que vêm protestando contra os resultados da eleição do dia 12 de junho.

O pleito levou à reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad por uma vasta margem, um resultado que foi amplamente contestado pela oposição e que desencadeou uma onda de protestos.

Um dos eventos programados para as orações de sexta-feira na universidade será um sermão do líder islâmico e ex-presidente iraniano Hashemi Rafsanjani, que apoiou Mousavi na disputa presidencial e que se tornou um forte crítico de Ahmadinejad.

Os correligionários de Mousavi, entre eles o próprio Rafsanjani, contestam o resultado da eleição.

''Vida nobre e livre''

''Eu me juntarei às fileiras na sexta-feira, pois me sinto obrigado a responder aos chamados de companheiros no caminho de proteger o direito de uma vida nobre e livre", afirmou Mousavi no site Ghalamnews.

Outro candidato derrotado no pleito presidencial, Mehdi Karroubi, disse que também irá a universidade acompanhar aquele que deve ser o primeiro sermão de Rafsanjani em mais de dois meses.

Milhares de manifestantes foram às ruas do Irã em protesto contra o resultado da eleição. Durante as manifestações, pelo menos 20 pessoas foram mortas e centenas, presas.

Na quarta-feira, Mousavi havia dito que o sangue dos manifestantes mortos por forças de segurança e por milícias pró-governo não seria derramado em vão.

Os comentários do candidato derrotado foram feitos durante uma visita à família de Sohrab Arabi, uma adolescente morta nos protestos.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, endossou a suposta reeleição esmagadora de Ahmadinejad e exigiu um fim aos protestos.

Ainda não se sabe ao certo se os correligionários de Mousavi conseguirão se concentrar em grande número na área em que é situada a universidade - o local serviu de sede para algumas das maiores manifestações que se seguiram ao pleito presidencial.

A imprensa pró-governo do Irã advertiu para a possibilidade de ''provocação'', nas cerimônias religiosas desta sexta-feira. Um jornal pediu aos fiéis que ''não se deixem enganar e rejeitem aqueles que gritarem slogans que estimulem a discórdia''.

Leia mais sobre Irã

    Leia tudo sobre: ahmadinejadirãmousavi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG