Candidato democrata Barack Obama vota em Chicago

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, votou na manhã desta terça-feira em Chicago. Obama, que lidera as pesquisas de intenção de voto, compareceu ao local de votação acompanhado da mulher, Michelle, e das filhas, Sasha e Malia.

BBC Brasil |

Seu rival, o republicano John McCain, deverá votar no Arizona.

As urnas foram abertas às 6h em Nova York (9h no horário de Brasília). Há relatos de filas grandes em alguns postos eleitorais. Os primeiros Estados a encerrar a votação serão Indiana, Kentucky e New Hampshire, às 21h (horário de Brasília). No Alasca, algumas urnas ficarão abertas até as 4h de quarta-feira, no horário de Brasília.

Os dois candidatos deverão aguardar os resultados nos Estados que representam no Senado (Obama em Illinois, McCain no Arizona).

A expectativa é de que um número recorde de americanos compareça às urnas, adicionando seus votos aos 29 milhões já dados em votação antecipada.

Apesar de alegações dos republicanos de que há indícios de que eles estão conquistando mais eleitores, a maioria das pesquisas de opinião dão a Obama a liderança, com sugestões de que ele pode ganhar os votos de Estados cruciais como Ohio e a Pensilvânia.

Em um início de valor simbólico neste dia de eleição, resultados de uma votação antecipada no vilarejo de Dixville Notch, em New Hampshire, na costa leste dos Estados Unidos, indicaram que Obama derrotou o seu rival por 15 votos a seis.

A cidade, que há 60 anos vem sendo a primeira do país a votar, abriu suas urnas à meia-noite, e o comparecimento do eleitorado foi de 100%.

George W. Bush foi vitorioso em Dixville Notch em 2004, quando acabou se reelegendo presidente dos Estados Unidos.

Maratona
Os dois principais candidatos fizeram uma maratona de comícios nas últimas horas, viajando a nove Estados americanos na segunda-feira.

McCain começou o dia na Flórida, e viajou para os Estados de Tennessee, Pensilvânia, Indiana, Novo México e Nevada, em seu caminho para o Arizona.

Obama, por sua vez, decidiu concentrar todas as suas forças em três Estados-chave - Flórida, Carolina do Norte e Virgínia - onde os republicanos venceram a disputa na última eleição presidencial, em 2004.

A última pesquisa de opinião da CNN/Opinion Research Corporation sugere que McCain está sete pontos atrás de Obama. A pesquisa Reuters/C-Span/Zogby coloca Obama com 50%, e McCain com 44% dos votos.

As pesquisas indicam que a disputa está mais acirrada em seis Estados: Flórida, Indiana, Missouri, Carolina do Norte, Nevada e Ohio.

Tampa e Jacksonville
A Flórida foi palco de discursos dos dois candidatos na segunda-feira logo pela manhã, no horário local.

Em Tampa (oeste do Estado), McCain disse a um grupo de 1,1 mil simpatizantes que Obama "está concorrendo para distribuir a riqueza". "Eu estou concorrendo para criar mais riqueza", afirmou o republicano, insistindo na idéia de que o democrata teria tendências socialistas.

Por sua vez, em Jacksonville (extremo nordeste da Flórida), Obama lembrou aos simpatizantes que McCain, em um evento em 15 de setembro, disse que "os fundamentos da economia americana estão fortes", apenas horas antes do banco Lehman Brothers ir à bancarrota e sinalizar o agravamento da crise financeira no país.

Em um comício na Carolina do Norte, Obama aparentava estar emocionado ao falar de sua avó, Madelyn Dunham, que desempenhou um papel-chave em sua infância no Havaí, e morreu de câncer aos 86 anos na segunda-feira.

O candidato democrata disse que Dunham morreu quando dormia e que a irmã dele estava ao lado da avó.

Mais tarde, no discurso final de uma campanha de 21 meses, Obama disse aos partidários em Manassas, na Virgínia, que achou a longa jornada até o dia da eleição inspiradora.

"Vocês me deram uma nova esperança no nosso futuro e vocês me fizeram lembrar do que torna os Estados Unidos tão especiais", afirmou.

Os dois candidatos mobilizaram milhares de voluntários para fazer chamadas telefônicas, distribuir propaganda e fazer campanha de porta em porta.

Além de votar para presidente, os americanos vão votar em novos congressistas e, em alguns Estados, escolher um novo governador e opinar em referendos.

Racismo e novos eleitores
Embora as pesquisas apontem o favoritismo de Obama, muitos fatores poderiam explicar uma surpresa republicana nesta terça-feira.

Entre eles está o fato de Obama ser negro e se isso influenciará os eleitores; se os milhares de novos eleitores registrados irão de fato comparecer às urnas e o "efeito Palin" - se a vice de McCain, Sarah Palin, vai empolgar ou afastar o eleitorado.

Para ser eleito, um candidato precisará obter nesta terça-feira o "número mágico" de pelo menos 270 dos 538 delegados do colégio eleitoral. A cada vitória estadual, os delegados são distribuídos ao candidato que obtiver mais votos.

Palin
Na véspera da votação, a candidata republicana à vice-presidência, Sarah Palin, foi considerada inocente das alegações de violar as leis de ética como governadora do Alasca.

Um relatório divulgado no mês passado disse que Palin abusou de sua posição ao permitir que seu marido e servidores públicos pressionassem pela demissão do ex-marido de sua irmã, que trabalhava na guarda estadual.

Palin demitiu Walt Monegan, Comissário Estadual para a Segurança Pública, mas negou que tenha sido por ele se recusar a demitir o ex-genro dela - que é desafeto da família da governadora.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG