Porto Príncipe, 28 jun (EFE).- A economista haitiana Michéle Duvivier Pierre-Louis, indicada para ocupar o cargo de primeira-ministra do país, declarou hoje que está disponível e aguardando a votação a ser realizada no Parlamento para ratificar sua nomeação.

No entanto, a candidata, que é diretora-executiva da Fundação Conhecimento e Liberdade (FOKAL), disse em entrevista à Agência Efe que ainda não recebeu nenhuma convocação das duas casas do Parlamento para apresentar a documentação necessária, que disse ter "pronta".

Porém, Pierre-Louis lembrou que tanto o presidente do país, René Préval, como as autoridades máximas do Congresso defenderam a rapidez do processo esta semana.

A indicação de Pierre-Louis aconteceu na segunda-feira, mais de dois meses depois de o Senado haitiano ter causado a queda do primeiro-ministro Jacques Alexis, ao reprovar suas políticas em meio aos graves distúrbios no país.

Quase uma semana depois de Préval ter indicado a economista como primeira-ministra, ainda não foi definido qual das duas casas iniciará o processo de ratificação da candidatura.

"Estou disponível, aberta e esperando", enfatizou Pierre-Louis, de 61 anos e considerada uma "boa amiga" de Préval, já que ambos mantêm relações cordiais desde os tempos em que abriram um negócio juntos em Porto Príncipe.

Sem se referir ao influente bloco majoritário que determinou a rejeição aos dois candidatos indicados anteriormente por Préval, Pierre-Louis disse que é "normal que blocos sejam constituídos, que as agendas políticas sejam expressadas e que as negociações sejam encaminhadas".

"Meu horizonte é meu país. Não tenho problema em assmir compromissos, mas é claro que acabará sendo extremamente difícil", disse a economista.

A indicada afirmou ainda que, por enquanto, não negocia com setores políticos e que seu tempo é dedicado à preparação de seu plano de Governo e à aprovação de sua nomeação. EFE gp/bm/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.