Canadá vota em eleições marcadas por incerteza nas urnas e nos mercados

Julio César Rivas. Toronto (Canadá), 14 out (EFE) - Milhões de canadenses votam hoje em todo o país em eleições gerais marcadas pela incerteza sobre o resultado que sairá das urnas e pelas abruptas altas e quedas dos mercados de capitais. A abertura da maioria dos colégios eleitorais do país (o segundo mais extenso do mundo e com seis fusos horários) coincidiu com a abertura dos mercados de Toronto e Nova York, acentuando o paralelismo da campanha eleitoral e das bolsas, especialmente nas duas últimas semanas. Do mesmo modo, a incerteza dos mercados se transferiu para os resultados da eleição. Se há um mês, quando o primeiro-ministro Stephen Harper dissolveu o Parlamento e anunciou eleições antecipadas, todos os analistas apontavam uma ampla vitória do governante Partido Conservador (PC), agora as pesquisas mostram um número mais apertado. Grande parte da perda de apoio popular de Harper e do PC é conseqüência da rápida piora da crise financeira global. Harper, que iniciou a campanha afirmando que os canadenses não estavam preocupados com seus trabalhos ou a situação econômica do país, teve de reconhecer que o Canadá não está imune à crise financeira e que os cidadãos estão realmente preocupados quanto a seu futuro. O fato de a Bolsa de Toronto ter desabado na última semana e de desde junho o principal mercado do país ter perdido 40% de seu valor só piorou a situação de Harper e dos conservadores. Segundo pesquisa feita pela empresa Ekos e ...

EFE |

O Partido Verde, que esperava entrar desta vez no Parlamento, não teria cadeiras novamente, apesar de somar 9,6% da preferência em nível nacional.

Entretanto, o alto número de indecisos, mais de 15%, e a margem de erro de 2% na pesquisa fazem com que o resultado final possa ser muito diferente do detectado pela Ekos.

A favor dos partidos políticos, está o bom tempo que predominou durante o dia em grande parte do país, o que aumentará a presença de muitos eleitores nas urnas.

Para citar um exemplo, os principais líderes políticos votaram no início da manhã em suas respectivas seções eleitorais.

Um dos primeiros foi o líder do Bloco Quebequense (BQ), Gilles Duceppe, que votou em uma igreja de Montreal.

Duceppe e o BQ podem se transformar nos vencedores reais da eleição diante das perspectivas de obter seis cadeiras no novo Parlamento.

Duceppe também pode se considerar responsável por evitar que os conservadores consigam a maioria das 308 cadeiras do Parlamento.

Os conservadores, que tiveram 11 deputados em Québec nas eleições de 2006, esperam aumentar substancialmente sua presença nesta província (que fornece 75 deputados ao Parlamento), o que lhes permitiria chegar a 155 assentos.

Contudo, nas duas últimas semanas o BQ avançou nas pesquisas e colocou os conservadores na terceira posição na província, atrás também dos liberais.

O outro aspirante que provavelmente vai melhorar sua posição, o líder do NDP, Jack Layton, votou de manhã em Toronto.

Já o primeiro-ministro e líder dos conservadores, Stephen Harper, votou em um instituto da cidade de Calgary, no oeste do país.

O último a ir às urnas será o líder do Partido Liberal, Stéphane Dion, que o fará em Montreal no começo da noite, pouco antes do fechamento dos colégios eleitorais. EFE jcr/rb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG