Canadá reitera que não estenderá missão no Afeganistão

VANCOUVER (Reuters) - O Canadá não tem planos de estender sua missão militar no Afeganistão após a retirada prevista para 2011, mesmo que haja pressão para lidar com o agravamento da segurança do país, disse uma importante autoridade do governo nesta terça-feira. Mas o Canadá também reconheceu indiretamente que os problemas de segurança deverão continuar após a retirada de suas tropas, ao anunciar um novo programa de imigração para ajudar afegãos cujas vidas estariam em perigo por terem trabalhado com soldados canadenses durante a missão.

Reuters |

O primeiro-ministro Stephen Harper se encontrará nesta semana com o presidente norte-americano, Barack Obama, cujo maior comandante militar disse nesta terça-feira que provavelmente serão necessárias mais tropas para frear a crescente violência insurgente no Afeganistão.

Harper e Obama devem discutir a situação no Afeganistão, mas o ministro do Comércio canadense, Stockwell Day, minimizou as sugestões de que Washington iria pressionar Ottawa a manter as tropas no Afeganistão mais do que o planejado.

"Até agora, o entendimento deles da nossa situação é muito claro", disse Day a repórteres em Ottawa, onde divulgou o relatório trimestral sobre a situação dos projetos militares e civis canadenses no Afeganistão.

O relatório disse que o Canadá está progredindo nos esforços para reconstruir o sistema de educação, infraestrutura e programas de treinamento de policiais no Afeganistão, apesar de crescentes problemas de segurança "significativos".

O Canadá tem cerca de 2.700 soldados na missão militar na região de Kandahar, cenário de alguns dos piores combates com forças do Taliban. O apoio público canadense para a missão tem variado em meio à alta no número de militares mortos.

(Reportagem de Allan Dowd)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG