CAN e UE dão primeiros passos para alcançar Acordo de Associação

Quito, 25 abr (EFE) - Representantes da Comunidade Andina (CAN) e da União Européia (UE) coincidiram hoje em Quito em que foi aberta uma porta para alcançar um ambicioso Acordo de Associação, ao fim da 3ª Rodada de Negociação entre ambos os blocos.

EFE |

Apesar de o caminho não ser fácil de percorrer, por uma série de obstáculos e diferenças entre os dois blocos, tanto a CAN como a UE ratificaram sua vontade de avançar com passo firme nas negociações, visando a concretizá-las o mais rápido possível.

Isso porque nesta etapa das conversas ficaram evidentes as "assimetrias" entre os dois lados, que buscaram ressaltar os diferentes interesses e posições entre os dois blocos, assim como no interior da Comunidade Andina.

"Estou convencido de que vamos poder resolver estes problemas, porque uma das características mais importantes desta negociação é a vontade de todas as partes de chegar a esse Acordo", ressaltou à Agência Efe o espanhol Rafael Gelabert, porta-voz europeu na rodada de Quito.

Ele exemplificou com o entendimento que se deu entre os negociadores durante a rodada de Quito, para superar essas diferenças, pelo que disse ter a esperança de concluir o acordo "nos prazos previstos", ou seja, na segunda metade de 2009.

No entanto, Gelabert lembrou que esses prazos poderiam variar, porque as duas partes estão empenhadas em reforçar o que há de mais importante nas negociações, em vez de se preocupar com a rapidez do processo.

O secretário da Comunidade Andina, Freddy Ehlers, destacou que o "tratado está sendo negociado" e que, até ser firmado, não haverá "nenhum termo definitivo".

Este, disse Ehlers "é um projeto no qual serão expressas as posições de cada país" e "não será aprovado se não for plenamente favorável" aos 27 países da UE e aos quatro andinos: Bolívia, Colômbia, Equador e Peru.

O secretário-geral da CAN destacou que o reconhecimento das assimetrias é fundamental para avançar na negociação e reiterou que este Acordo "não vai funcionar se os países envolvidos não perceberem suas vantagens".

Outro aspecto que ficou claro na reunião de Quito é que a negociação CAN-UE ultrapassa o âmbito comercial e, por isso, foram registrados avanços em outras questões, como coesão social, emprego, saúde, educação e capacitação, povos indígenas, refugiados e segurança alimentar, que foram discutidas.

Também foram debatidos temas como governança corporativa, estado de direito, o fortalecimento institucional e acordos em torno da não-proliferação de armas de destruição em massa.

Em matéria de Comércio, os dois blocos se comprometeram a melhorar suas ofertas e a UE disse que avaliará iniciar a negociação, como pede a CAN, da consolidação do Sistema Geral de Preferências que o grupo andino desfruta atualmente para exportar produtos à Europa.

A quarta rodada de negociações deve ocorrer em Bruxelas entre 7 e 11 de julho.

Além disso, se prevê realizar uma "mini-rodada" em junho, para atender aos capítulos de Serviços, Investimentos, Propriedade Intelectual e Comércio e Desenvolvimento sustentável, que não foram tratados na reunião de Quito. EFE fa/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG