ensinar a beber - Mundo - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Campanha britânica ensinar a beber

O governo britânico lançou nesta semana uma campanha de 6 milhões de libras (quase R$ 20 milhões) para informar os consumidores sobre os limites de álcool e quantas unidades estão contidas nas bebidas mais comuns. Segundo uma pesquisa encomendada pelo Departamento de Saúde para coincidir com o lançamento da campanha, três quartos dos consumidores entrevistados não sabem que um típico copo de vinho contém três unidades de álcool.

BBC Brasil |

A pesquisa, que entrevistou 1.429 consumidores de álcool na Inglaterra, concluiu que mais de um terço não conhecia o limite diário recomendado - de duas a três unidades alcoólicas para mulheres e três a quatro para homens.

As autoridades temem que os consumidores não tenham percebido o aumento no tamanho dos copos e o fato de que algumas bebidas se tornaram mais fortes. Metade dos entrevistados consome álcool pelo menos duas ou três vezes por semana.

Confusão
Apesar de 82% terem respondido saber o que era uma unidade de álcool, 77% não sabiam quantas unidades há em um típico copo de vinho.

Mais da metade (55%) acreditava que um copo de vinho representava duas unidades, quando na verdade corresponde a três; 58% não sabia que um gin e tônica duplo corresponde a duas unidades e mais de um terço (35%) não sabia que um copo padrão de cerveja, um pint de 570 ml, vendido nos bares, contém mais de duas unidades, podendo chegar a três.

Além das unidades alcoólicas de cada bebida, a campanha informa os efeitos do abuso de álcool sobre a saúde. Segundo a secretária para Saúde Pública, Dawn Primarolo, as pessoas não necessariamente sabem o quanto estão bebendo e o quanto isso pode afetar a saúde delas.

"O tamanho dos copos aumentou e o teor alcoólico de muitos vinhos e cervejas também, então, não é surpresa que as pessoas estejam perdendo a conta do consumo de álcool."
Segundo a ministra, o objetivo da campanha é informar o número de unidades das bebidas sem fazer julgamentos, permitindo que os consumidores tomem suas próprias decisões.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG