Câmeras americanas foram usadas em resgate de reféns das Farc

BOGOTÁ - Câmeras de televisão dos Estados Unidos foram instaladas nas selvas colombianas para ajudar no resgate de reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), informaram hoje o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o embaixador americano William Brownfield.

EFE |

Os aparatos de gravação foram instalados por colombianos em janeiro e fevereiro passados em uma zona não divulgada, onde os membros das Farc mantinham alguns seqüestrados.

No entanto, segundo afirmou Brownfield a emissoras locais, os guerrilheiros saíram desse lugar.

No dia 2 de julho o Exército colombiano recuperou nas selvas do Guaviare (sul) 15 pessoas seqüestradas pelas Farc, entre elas a ex-candidata presidencial colombo-francesa Ingrid Betancourt e três reféns americanos.

O embaixador declarou à emissora "AW" que, embora o equipamento tenha sido enviado pelos EUA, a instalação foi feita pelas autoridades colombianas.

Já o ministro Santos disse à mesma emissora que "dentro da tecnologia utilizada estão algumas câmeras introduzidas na selva, nos lugares onde supostamente poderiam passar os seqüestrados".

"Isso foi em fevereiro (...) essa foi a participação que os EUA tiveram", acrescentou.

Na "Operação Xeque", efetuada em 2 de julho, além de Ingrid Betancourt, que estava seqüestrada desde 2002, foram libertados os americanos Thomas Howes, Keith Stansell e Marc Gonsalves, reféns desde 2003, além de 11 militares e policiais colombianos, alguns seqüestrados há dez anos.

Os militares que participaram desse plano, preparado durante mais de um ano, simularam uma missão humanitária internacional que chegou ao lugar do resgate em helicópteros pintados com os emblemas de uma suposta ONG.

    Leia tudo sobre: colômbia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG