Camboja reconhece que dois de soldados morreram em combate com tailandeses

PHNOM PENH - O Governo do Camboja reconheceu que dois de seus soldados morreram e outros dois ficaram feridos no confrontos que suas tropas travaram com as da Tailândia na fronteira por causa da disputa territorial por uma região próxima às ruínas do antigo templo de Preah Vihear.

EFE |

O ministro de Assuntos Exteriores do Camboja, Hor Namhong, afirmou que a troca de tiros e fogo de artilharia começou como resposta a um ataque dos soldados tailandeses em três pontos diferentes do território cambojano.

Segundo a versão oficial do Camboja, as tropas tailandesas atacaram em Prolean Entry e Phnom Troap, dois pontos que ficam a 1.120 e 1.600 metros da fronteira internacional, e no pagode de Keo Sekha Kiri Svarak, que fica a 300 metros do templo de Preah Vihear.


Soldados tailandeses preparam a artilharia na fronteira com o Camboja / AP

A troca de tiros durou cerca de 45 minutos, durante os quais dois soldados cambojanos perderam a vida e outros dois ficaram feridos.

Em um comparecimento ante o corpo diplomático credenciado no Camboja, o ministro chamou o episódio de "incidente", que interpretou como "um confronto entre soldados e não como um ataque da Tailândia".

"Não estamos em posição de concluir que o incidente tenha sido um ataque deliberado dos tailandeses", declarou o ministro de Relações Exteriores cambojano.

Após o confronto, Hor qualificou de "bom sinal" a reunião que os maiores responsáveis militares dos dois países posicionados na região marcaram para a próxima quinta-feira com a intenção de reduzir a tensão.

O Ministro de Exteriores do Camboja, disse Hor, deu instruções a seu embaixador nas Nações Unidas de informar por carta sobre o incidente ao Conselho de Segurança.

Hor afirmou que, por enquanto, o Camboja não pedirá uma reunião do Conselho de Segurança "para dar uma opção às duas partes para encontrar uma solução dialogada".

Após o encontro com Hor, a chefe da missão diplomática dos Estados Unidos Piper Campbell expressou sua preocupação pela situação e encorajou as duas partes a trabalharem para diminuir a tensão e conseguir uma solução.

Leia mais sobre Camboja - Tailândia

    Leia tudo sobre: cambojatailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG