Câmara dos EUA aprova Lei que inclui medida contra gays no Exército

Washington, 28 mai (EFE).- A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira o projeto de Lei de Despesas de Defesa que inclui uma emenda contra a lei que proíbe os homossexuais que servem ao Exército de manifestarem sua orientação sexual.

EFE |

Washington, 28 mai (EFE).- A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira o projeto de Lei de Despesas de Defesa que inclui uma emenda contra a lei que proíbe os homossexuais que servem ao Exército de manifestarem sua orientação sexual. Embora finalmente tenha passado, o projeto está ameaçado por um conflito relacionado com os novos caças F-35, que o Pentágono e a Casa Branca disseram que não são necessários, mas que alguns congressistas defenderam pelos postos de trabalho gerados. A Câmara de Representantes aprovou na quinta-feira à noite, com 235 votos a favor e 194 contra, a medida proposta pelo democrata Patrick Murphy, um veterano da Guerra do Iraque, para acabar com a lei "Don't ask, don't tell" ("não pergunte, não diga", em tradução para o português). Horas antes, o Comitê das Forças Armadas do Senado tinha aprovado medida semelhante promovida pelo senador democrata Carl Levin e o independente Joe Lieberman, que foi aceita com 16 votos a favor e 12 contra. O Pentágono tem que entregar uma análise sobre a aplicação da possível a nova política no próximo dia 1º de dezembro. O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, deu seu apoio a esta medida, embora tenha destacado a importância do relatório que avaliará as implicações desta possível decisão após 17 anos de vigência da lei. O presidente Barack Obama comemorou os resultados das votações, as quais considerou "um importante passo rumo à revogação" e assinalou que a revisão que está sendo realizada pelo Departamento de Defesa "é a chave para que a revogação tenha êxito". Segundo pesquisa divulgada pela rede de televisão "CNN", 78% do público defende o direito de os homossexuais que servem nas Forças Armadas expressarem abertamente sua orientação sexual. EFE elv/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG