A Câmara de Representantes do Estado de Nova York aprovou nesta terça-feira o projeto de lei que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, por 89 votos a 52, e a medida seguirá agora para o Senado.

Apresentado no mês passado pelo governador democrata, David Paterson, o projeto deve enfrentar mais resistência no Senado estadual.

Os debates em Albany, capital do Estado de Nova York, levaram cerca de 5 horas, durante as quais os deputados fizeram diversos apelos aos senadores para que também aprovem a medida.

O Senado deve votar o projeto nas próximas semanas.

Cinco Estados americanos já legalizaram a união entre pessoas do mesmo sexo, sendo o último o Maine, no dia 6 de maio passado, após Connecticut, Massachusetts, Vermont e Iowa.

A cidade de Nova York, com mais de 8 milhões de habitantes, abriga uma importante comunidade homossexual.

Esta não é a primeira vez que o legislativo de Nova York vota um projeto de lei sobre o casamento homossexual. Em 2007, a Câmara aprovou, por 85 votos a 61, uma medida similar, que sequer foi apresentada ao Senado, então controlado pelos republicanos.

Atualmente, os democratas - mais favoráveis à medida - dominam o Senado estadual, mas pela pequena margem de duas cadeiras (32-30).

O líder da maioria no Senado, Malcolm Smith, disse que é favorável ao projeto, mas advertiu que só vai apresentá-lo quando estiver seguro sobre sua aprovação.

"Após os eventos em Iowa, Vermont, Maine, Connecticut e Massachusetts, o país está realmente dando um giro e nunca houve um melhor momento para que Estados como Nova York e Nova Jersey se somem a este grupo", disse à AFP Kara Suffredini, diretora de políticas públicas da organização Conselho para a Igualdade Familiar.

Segundo Suffredini "é preciso que os legisladores no Senado de Nova York escutem em suas bases eleitorais o que as famílias (de homossexuais) têm a dizer".

Já a Organização Nacional pelo Matrimônio (NOM) estimou que "em meio à pior crise econômica em várias gerações, não é o momento de ameaçar o casamento, e sim de trabalhar".

ltl/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.