Califórnia, Flórida e Arizona proíbem casamento gay

Os eleitores dos Estados americanos da Califórnia, da Flórida e de Arizona aprovaram em referendo uma emenda à Constituição estadual que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os três Estados fazem parte de um grupo que, juntamente com a votação para presidente e para o Congresso, incluíram na eleição de terça-feira propostas sobre diversos assuntos, incluindo mudanças na legislação sobre aborto, drogas e educação.

BBC Brasil |

Na Califórnia, com 95% dos votos apurados, cerca de 5,1 milhões de eleitores (52% do total) decidiram aprovar a inclusão na Constituição estadual da seguinte frase: "Apenas o casamento entre um homem e uma mulher é válido e reconhecido na Califórnia".

Na Flórida, a mudança foi aprovada por 62% dos eleitores e no Arizona, por 56%.

Ao todo, 27 Estados americanos já haviam proibido antes desta terça-feira o casamento gay, que foi legalizado na Califórnia pela Suprema Corte estadual em junho.

Por causa da decisão do tribunal, milhares de homossexuais viajaram para o Estado para se casar nos últimos meses.

Outras propostas
No total, 153 propostas de mudança das legislações estaduais foram colocadas em votação na terça-feira.

Nos Estados do Colorado e de Dakota do Sul, propostas que restringiam o aborto foram rejeitadas.

Michigan decidiu passar a permitir o uso medicinal da maconha.

Em Nebraska, os eleitores decidiram acabar nas esferas municipais e estadual com programas de ação afirmativa - o tratamento preferencial de pessoas com base em sua raça, cor ou origem.

No Oregon, foi rejeitada uma proposta de limitar a não mais do que dois anos o ensino em qualquer língua que não seja o inglês. Se aprovada, a mudança atingiria duramente escolas voltadas para imigrantes, em que o ensino é na língua mãe dos alunos.

Washington, também na costa oeste, aprovou o suicídio acompanhado para pessoas com doenças terminais.

Economia
Propostas para mudanças nos impostos foram derrotadas em Massachusetts e em Dakota do Norte.

Na área de energia, os eleitores californianos rejeitaram o plano de exigir que as empresas de serviços públicos, como as de eletricidade e gás, utilizem fontes renováveis em metade de sua produção até 2025.

No Missouri, por outro lado, foi aprovada a proposta de que empresas de eletricidade passem a gerar 15% de sua energia a partir de fontes renováveis até 2021.

O mesmo Estado também rejeitou a imposição de um limite de US$ 500 no prejuízo dos fãs de jogos de azar - uma medida com o objetivo de proteger jogadores compulsivos que vão a cassinos em barcos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG