México - O presidente mexicano, Felipe Calderón, exigiu neste domingo respeito aos países que tomaram medidas repressivas ou discriminatórias contra o México por causa do surto de gripe suína e lhes pediu colaboração porque esta luta é em benefício da humanidade.

  • Saiba mais: tire suas dúvidas sobre a gripe suína
  • Está nas áreas atingidas? Mande seu relato ao Minha Notícia
  • Saiba quais os sintomas e as recomendações do Ministério da Saúde
  • "Estamos travando esta batalha pela humanidade inteira e só podemos livrá-la se o mundo nos ajudar, não estamos pedindo caridade nem favores ao mundo, pedimos que não dispensem tratamentos humilhantes nem discriminações", afirmou o presidente mexicano em entrevista divulgada pela televisão.

    Calderón afirmou que só por "ignorância e desinformação" se podem explicar as medidas tomadas por alguns países de suspender seus voos ao México, de assumir atitudes discriminatórias contra mexicanos ou de restringir as importações desde o país.

    Ele explicou que o vírus da A (H1N1) não pode ser isolado nem contido, "pois já se propagou no mundo todo" e em todo caso todos os países devem aplicar medidas preventivas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como as que o México tomou.

    "Peço sensatez e objetividade e que não se apeguem a critérios políticos para restringir importações mexicanas", disse Calderón.

    Calderón informou que nesta segunda-feira decide se reduz as medidas de emergência e como vão ser retomadas paulatinamente algumas atividades no país.

    Leia também


    Entenda a gripe suína

    Gripe suína no Brasil

    Leia mais sobre: gripe suína

      Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.