Cães se unem à moda ecológica

O Clube Metropolitano do Cachorro, em Nova York, famoso por abrigar pessoas ricas e viciadas nestes animais, abriga esta semana a conferência O animal doméstico e a ecologia, que marca a chegada do melhor amigo do homem ao campo ambiental.

AFP |

Nos Estados Unidos é freqüente ver desfiles de moda caninos, tratamentos psicológicos e até mesmo heranças milionárias para os cachorros. Agora, a nova moda é o 'cão-ecológico'.

Apesar dos gastos "ambientalmente corretos" envolvendo cachorros representar 2,3% do faturamento de 40 bilhões de dólares por ano da indústria relacionada aos animais domésticos, a onda ecológica parece atingir em cheio esse setor.

"Esse é um salão literário para cachorros", afirma com convicção a presidente do Clube, Charlotte Reed, "especialista em animais domésticos", que para o encontro convidou os autores de "Eco-dog", um livro de conselhos publicado há três meses e já reeditado.

Com desenhos, fotos e cifras detalham, por exemplo, como fabricar jogos não-tóxicos com meias de algodão, transformar uma calça em um travesseiro para o cachorro ou mesmo como evitar envenenar o animal com produtos tóxicos utilizados para a limpeza doméstica.

"Meu marido é cozinheiro, e apesar disso a cozinha é melhor para nossos animais do que para nós", diz Charlotte, dona de três cachorros e três gatos.

"Claro que preparamos para eles muitas verduras, mas nossos cachorros gostam de biscoitos de aveia e de queijo", acrescenta.

"Tenham muito cuidado com os alimentos industriais para cachorros, apesar de agora os fabricantes estarem lançando produtos macrobióticos, mas nada substitui o alimento natural produzido por vocês mesmos", adverte Charlotte para uma platéia que mal pisca.

Efetivamente, os sites "verdes" para animais domésticos estão proliferando. "O mercado está em plena expansão", afirmam Jim Deskevich e Corbett Mashall, autores do livro, que vivem no campo, a duas horas de Nova York, onde possuem uma oficina de roupas e acessórios naturais para os cachorros.

"Não há nada chinês, só utilizamos algodão natural e tudo é fabricado nos Estados Unidos, próximo daqui, ou seja, não temos que agregar o valor do transporte", destaca.

Segundo as últimas estatísticas da APPMA, a Associação de Fabricantes de Produtos para Animais Domésticos, cerca de 63% das residências americanas, ou seja, 71 milhões de casas, possuem um animal.

Os americanos possuem 88 milhões de gatos, 74 milhões de cachorros e 13 milhões de répteis.

    Leia tudo sobre: nova york

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG