Bush vai apoiar entrada da Ucrânia e da Geórgia na Otan

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, prometeu hoje apoio pleno às aspirações da Ucrânia e da Geórgia de ingressarem na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e observou que a Rússia não tem como vetar as candidaturas de ex-repúblicas soviéticas.

Agência Estado |

Durante visita a Kiev, antes de dirigir-se à reunião de cúpula da Otan na Romênia, o presidente americano prometeu esforçar-se "ao máximo" para superar as objeções russas ao início do processo de admissão na aliança atlântica desses dois antigos satélites de Moscou.

"Sua nação tomou uma decisão ousada e os Estados Unidos apóiam plenamente seu pedido", disse Bush ao presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, dois dias antes do início da reunião de cúpula dos líderes dos países da Otan, a ser realizada este ano em Bucareste. Os líderes da Otan definirão, entre outras coisas, o formato de um "plano de ação" para que a Ucrânia e a Geórgia sejam aceitas na aliança.

"Em Bucareste esta semana eu continuarei deixando clara a posição dos Estados Unidos: apoiamos o plano de filiação para a Ucrânia e para a Geórgia", disse Bush a jornalistas depois de reunir-se com Yushchenko. "Minha parada aqui deve servir como um claro sinal do que quero dizer: é de nosso interesse que a Ucrânia seja aceita."

Atualmente, nove países do extinto Pacto de Varsóvia fazem parte da Otan. Nos casos da Geórgia e da Ucrânia, a Rússia é contrária até mesmo ao início do processo de filiação. Na Otan, a França e a Alemanha estão relutantes quanto a dar início ao processo para a entrada da Ucrânia e da Geórgia por considerar que os dois países não preenchem os requisitos mínimos necessários para a adesão. Além disso, as duas potências européias temem o estremecimento das relações com a Rússia, crucial fornecedora de energia para a Europa.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG