morto , a menos que Congresso vote - Mundo - iG" /

Bush: Tratado com a Colômbia ficará morto , a menos que Congresso vote

Washington, 14 abr (EFE).- O tratado de livre-comércio com a Colômbia ficará morto, a menos que a Câmara de Representantes dos Estados Unidos programem uma votação para aprová-lo, afirmou hoje o presidente americano, George W.

EFE |

Bush.

Em reunião com seu Gabinete, Bush expressou a "decepção" de seu Governo porque a Câmara aprovou na semana passada o adiamento, de maneira indefinida, da votação sobre o tratado, que a Casa Branca defende como essencial para a segurança nacional americana.

"O acordo de livre-comércio beneficia nossos interesses, mas estará morto a menos que (a presidente da Câmara, Nancy) Pelosi programe uma data de votação definitiva", disse o presidente.

Bush enviou na semana passada o projeto de lei que contém o tratado ao Congresso para sua votação, o que, segundo a norma americana, deveria acontecer no prazo máximo de 90 dias legislativos.

No entanto, a votação da quinta-feira eliminou esse prazo máximo, o que possibilita que o projeto de lei possa permanecer indefinidamente no limbo.

A presidente da Câmara Baixa, Nancy Pelosi, e o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, tinham advertido a Bush que não enviasse o projeto de lei ao Congresso sem ter garantidos os votos mínimos necessários para a ratificação do pacto.

Os democratas se opõem ao tratado, ao exigir mais garantias para os trabalhadores e sobre a proteção dos direitos humanos na Colômbia, e pedem mais tempo para negociar com a Casa Branca sobre o documento.

Segundo Bush, a rejeição da Câmara "não tem precedentes".

"Não nos convém que prejudiquemos um aliado como a Colômbia e que não incentivemos que nossos bens e serviços sejam vendidos no exterior".

A Casa Branca descreveu o tratado como uma de suas prioridades em política externa.

O tratado, segundo o Governo, contribuiria às exportações de produtos americanos em um momento de "vacas magras" econômicas, e serviria para dar apoio ao Executivo do presidente Álvaro Uribe, um firme aliado dos Estados Unidos em uma região do mundo onde cresce o antiamericanismo. EFE mv/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG