Bush revela que discutiu com Putin no início dos Jogos Olímpicos por causa da Geórgia

O presidente George W. Bush revelou que teve uma tensa discussão com o primeiro-ministro Vladimir Putin durante a cerimônia de inauguração dos Jogos Olímpicos em função da ofensiva militar da Rússia contra a Geórgia.

AFP |

Na sexta-feira, os dois dirigentes foram vistos e fotografados falando de forma bem tensa.

"Eu disse a ele que a violência desatada na Ossétia do Sul é inaceitável e que os bombardeios de Moscou desproporcionais", afirmou Bush falando ao canal NBC.

"Também manifestei minha grave preocupação sobre a resposta desproporcional da Rússia. Fui muito firme com Vladimir Putin, da mesma forma que fui firme com o presidente presidente Dimitri Medvedev".

O presidente americano fez estas declarações ao vivo à NBC em Pequim, no último dia de sua visita à capital chinesa para assistir aos Jogos Olímpicos durante os quais explodiu esta crise na região separatista georgiana da Ossétia do Sul.

"Espero que tudo se pode resolver pacificamente", afirmou Bush, cujo governo foi um forte apoio do governo pró-ocidental da Geórgia, principalmente em seus esforços para que Tbilisi entre para a Otan, o que irrita profundamente a Rússia.

Os Estados Unidos pediram um cessar-fogo imediato e a volta do statu quo que existia antes que começassem os confrontos na semana passada.

No entanto, a Rússia continuou com seus ataques contra a Geórgia nesta segunda, ignorando os pedidos.

Aviões russos bombardearam a base de um batalhão das forças especiais e um centro de controle do tráfico aéreo nos arredores de Tbilisi, a capital da Geórgia, na segunda pela manhã, indicou o porta-voz do ministério do Interior, Shota Utiashvili.

Pouco antes da entrevista de Bush, a porta-voz do vice-presidente americano Dick Cheney difundiu um comunicado no qual os Estados Unidos manifestavam sua solidariedade para com a Geórgia e advertiu à Rússia que não devia prosseguir com sua "agressão".

Cheney fez estes comentários durante uma conversa telefônica com o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, de acordo com a declaração recebida em Pequim.

"O vice-presidente elogiou o presidente Saakashvili pela moderação de seu governo, suas ofertas de cesar-fogo e a retirada das forças georgianas da zona de conflito na região da Ossétia do Sul", afirmou o texto da porta-voz de Cheney, Lee Anne McBride.

"O vice-presidente disse ao presidente Saakashvili que a agressão russa deve ficar sem resposta, e que se continuasse, teria graves conseqüências em suas relações com os Estados Unidos, assim como com a comunidade internacional", acrescentou o texto.

Leia mais sobre Geórgia

    Leia tudo sobre: georgia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG