O presidente americano, George W Bush, reiterou, neste sábado, seu compromisso com a paz duradoura no Oriente Médio, depois de um encontro com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, no Egito. Após a reunião, Bush disse que está absolutamente comprometido a negociar com Abbas e com os israelenses para chegar à definição de um Estado palestino.

"Me parte o coração ver o vasto potencial do povo palestino desperdiçado. Estas são pessoas boas, inteligentes, capazes que, quando tiverem a oportunidade, vão criar uma nação próspera. Será uma oportunidade de acabar com o sofrimento que acontece no território palestino", afirmou Bush.

Mahmoud Abbas disse estar feliz que Bush "esteja acompanhando todos os detalhes e discussões sobre as negociações palestinas assim como sobre as questões da região".

Apesar das declarações otimistas, o correspondente da BBC Christian Fraser diz que há pouca esperança de que as reuniões levem a avanços nas negociações de paz.

George W Bush também se reuniu com o presidente egípcio, Hosni Mubarak, e com o líder afegão Hamid Karzai. O premiê israelense, Ehud Olmert, não participou do encontro, mas enviou seu ministro da Defesa.

Editorial
Em um editorial, o principal jornal estatal egípcio, Al-Ahram, disse que o processo de paz está efetivamente morto sob a condução de Bush e criticou o presidente americano por não ter feito quase nenhuma referência aos palestinos em seu principal discurso em Israel, por ocasião do aniversário de 60 anos da criação do Estado.

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, também questionou Bush sobre o discurso.

Bush comentou o assunto dizendo que Mubarak queria apenas ter certeza de que seu compromisso com a paz no Oriente Médio é firme.

"Acredito que podemos chegar à definição de um Estado até o fim de meu mandato e vamos trabalhar duro para alcançar este objetivo", reafirmou Bush.

O ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, deve voltar a pedir a libertação do soldado Gilad Shalit como condição para qualquer trégua com o Hamas, o grupo palestino que controla a Faixa de Gaza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.