Bush reduzirá tropas no Iraque e enviará reforço ao Afeganistão

O presidente americano, George W. Bush, anunciará, em um discurso nesta terça-feira, a retirada de 8 mil tropas do Iraque até fevereiro e enviará reforço para as forças dos EUA no Afeganistão.

BBC Brasil |

No discurso, a ser realizado na Universidade de Defesa Nacional, em Washington, Bush irá argumentar que a melhoria na segurança do Iraque permite a retirada lenta das tropas do país e um "aumento modesto" no número de tropas Afeganistão.

De acordo com os planos a serem anunciados, um batalhão da Marinha que seria enviado para o Iraque em novembro irá para o Afeganistão, seguido de uma brigada de combate do Exército de cerca de 4 mil homens.

O plano compreende ainda o retorno para os EUA de mil soldados da província iraquiana de Anbar em novembro e a retirada de uma brigada de cerca de 3,5 mil soldados em fevereiro, acompanhados de um contingente de forças de apoio de cerca 3,4 mil pessoas.

Atualmente, os EUA têm 146 mil soldados no Iraque e 33 mil no Afeganistão.

Talebã
Segundo o correspondente da BBC em Washington Jonathan Beale, a decisão de reforçar as tropas americanas no Afeganistão reflete uma preocupação da Casa Branca com o ressurgimento do Talebã.

"Os inimigos [do Afeganistão] são alguns dos mais duros terroristas e extremistas do mundo. Com seus ataques brutais, o Talebã e os terroristas fizeram algum progresso em abalar a confiança do povo afegão", Bush irá comentar em seu discurso.

A Agência de Coordenação de Assistência ao Afeganistão (AACA) afirmou em agosto que a violência no país teria atingido o pior nível desde 2001, quando as forças lideradas pelos Estados Unidos derrotaram o Talebã.

O governo afegão afirma que a violência estaria relacionada com as tentativas do governo do Paquistão em chegar a acordos de paz com os militantes islâmicos nas áreas tribais próximas da fronteira, no noroeste do país.

Iraque
Bush irá argumentar ainda que, apesar do progresso ainda ser "frágil e reversível" no Iraque, seus representantes no país afirmam que há um certo "grau de durabilidade" nas conquistas americanas.

"Se o progresso no Iraque for mantido, o general Petraeus e os nossos líderes militares acreditam que mais reduções poderão ser feitas no primeiro semestre de 2009", diz o discurso do presidente.

Em agosto, o premiê Nouri Maliki afirmou que, apesar de não haver um calendário para a retirada das tropas do país, ele vem tenta chegar a um acordo com o Exército americano para a retirada das forças internacionais de combate até 2011.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG