Bush pede ao Congresso que reconsidere sua posição sobre o TLC com a Colômbia

Washington, 18 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, George W.

EFE |

Bush, pediu mais uma vez hoje ao Congresso, de maioria democrata, que "reconsidere" sua decisão em relação ao Tratado de Livre-Comércio (TLC) com a Colômbia e que aprove "o quanto antes" o acordo bilateral.

"Os líderes democratas no Congresso cometeram um grave erro ao adiar na semana passada indefinidamente a votação sobre o TLC com a Colômbia", assinalou o líder em discurso perante um grupo de empresários de pequenas e médias empresas.

"É um grave erro por razões econômicas e é um grave erro por motivos de segurança, mas ainda não é tarde demais e (os democratas) podem corrigi-lo e fazê-lo bem", declarou.

Bush advertiu mais uma vez que se a Câmara de Representantes dos EUA mantiver sua oposição à aprovação da ratificação do pacto comercial com a Colômbia, isso "mataria" o acordo.

Em um cenário desses, "provavelmente os mais prejudicados sejam os empresários de pequenas e médias empresas e os trabalhadores", afirmou o chefe da Casa Branca.

A razão é que "praticamente todas" as exportações colombianas entram nos EUA livre de tarifas, mas as nove mil companhias que exportam para a Colômbia, incluindo as oito mil pequenas e médias empresas, enfrentam "tarifas substanciais" sobre seus produtos, explicou.

O líder afirmou que esse problema é de "fácil solução", porque o TLC resolveria imediatamente muitas restrições sobre as tarifas.

"Meu argumento é que nos tratem como nós (tratamos) a eles, e o único que quero fazer é igualar as regras do jogo", recalcou.

Bush lembrou que já se passaram 500 dias desde que os EUA assinaram o TLC com seu aliado e os empresários americanos ainda não podem se beneficiar dele porque o Congresso não atuou.

Na avaliação do presidente, a Colômbia e seu chefe de Estado, Álvaro Uribe, cumpriram com "praticamente tudo" do que foi pedido pelo Congresso dos EUA e inclusive revisou o acordo comercial para incluir as "proteções trabalhistas e ambientais mais rigorosas da história".

"É difícil imaginar outro líder no mundo que tenha demonstrado mais que merece nosso apoio e amizade do que Uribe, e mesmo assim o Congresso continua se queixando que ainda não fez o suficiente", disse.

Uma rejeição ao TLC com a Colômbia "mandaria uma terrível mensagem à América Latina. Nossos vizinhos estão observando como tratamos nossos amigos", apontou.

Apesar dos esforços da administração Bush em antecipar o TLC com seu principal aliado na América Latina, os democratas continuam se opondo ao acordo comercial.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, acusa o chefe da Casa Branca de estar "distanciado-se" das preocupações dos trabalhadores de seu país. EFE cai/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG