Bush expressa esperança de acordo com a Rússia sobre escudo antimísseis

Kiev, 1 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, George W.

EFE |

Bush, expressou hoje sua esperança de conseguir um acordo durante sua próxima reunião com o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, sobre o escudo antimísseis que Washington pretende posicionar no Leste Europeu.

Em entrevista coletiva junto com o presidente ucraniano, Viktor Yushchenko, em Kiev, Bush disse que "tenho esperanças de alguns avanços" nessa reunião, no próximo domingo em Sochi (Rússia).

Esse encontro, a última etapa da viagem que o presidente americano realiza pelo Leste Europeu, deverá ser o último de Bush e Putin como chefes de Estado de seus países, pois o novo líder russo, Dmitri Medvedev, tomará posse em maio.

A reunião em Sochi tem por objetivo, segundo a Casa Branca, acalmar os temores de Moscou sobre o escudo antimísseis, que a Rússia considera "uma ameaça".

Nos últimos dias, a Casa Branca afirmou que houve avanços, e expressou seu otimismo sobre a possibilidade de um acordo, apesar de ter ressaltado que "não existem prazos".

"Acho que estamos nos movimentando em um caminho no qual a Rússia e os Estados Unidos poderiam ter a defesa antimísseis como uma área de cooperação estratégica", disse o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Stephen Hadley, na segunda-feira.

Os secretários de Estado, Condoleezza Rice, e de Defesa, Robert Gates, viajaram recentemente a Moscou para discutir o assunto. Na semana passada, uma delegação russa devolveu a visita a Washington.

Além disso, Bush falou por telefone e enviou uma carta pessoal a Putin sobre o assunto.

Os planos americanos prevêem colocar dez plataformas de lançamento de mísseis interceptores na Polônia, e um sistema de radar na República Tcheca.

Washington insiste em que o escudo não tem a Rússia como alvo, mas fazer frente a possíveis ataques de países inimigos no Oriente Médio.

Bush insistiu hoje nessa idéia ao afirmar que "não é um quebra-galho anti-russo".

O presidente americano descartou taxativamente, no entanto, chegar a um acordo com a Rússia pelo qual esse país elimine suas objeções ao escudo antimísseis em troca de que, na cúpula que começa amanhã, em Bucareste, a Otan não aceite os pedidos da Ucrânia e da Geórgia de um plano de ação para a futura entrada na Aliança.

Kiev, disse Bush, "fez um pedido valente e os Estados Unidos apóiam firmemente essa solicitação", disse Bush, que ainda hoje irá a Bucareste para participar da cúpula da Otan. EFE mv/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG