Bush diz que restituição ajudará economia dos EUA

Por David Lawder WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, George W. Bush, disse na sexta-feira que a economia dos Estados Unidos está desaquecida, mas que a restituição do imposto de renda, que deve começar a cair nas contas bancárias dos consumidores na próxima semana, deve ajudar a reverter o quadro.

Reuters |

Bush falou sobre o assunto após alguns dados terem indicado que a confiança do consumidor é a mais baixa em 26 anos. 'É óbvio que a nossa economia está desaquecida,' afirmou Bush, que pediu para os contribuintes contatarem o governo para saber sobre suas possibilidades de restituição, como 600 dólares por adulto e 300 dólares por criança, dependendo da renda de cada um.

'Esse dinheiro vai ajudar os norte-americanos a compensar os altos preços que estamos vendo nas bombas de gasolina e nas mercearias e também dará à nossa economia um empurrão para nos ajudar a sair dessa baixa,' acrescentou.

Líderes democratas no Congresso, entretanto, disseram que as restituições não serão o suficiente para permitir uma recuperação da economia e um segundo pacote de estímulos pode ser necessário.

'O peso do declínio da economia nas famílias de média e baixa renda demanda, no meu ponto de vista, demanda uma consideração sobre um segundo pacote de estímulo,' afirmou a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, a repórteres em Washington.

Pelosi, uma democrata da Califórnia, negou-se a dizer se ela estava conseguindo algum progresso em negociações com a administração Bush para uma medida adicional. Ela sugeriu mais gastos em projetos de infra-estrutura, aumento dos projetos de alimentação do governo e maior benefícios aos desempregados -- medidas que foram deixadas de fora do pacote de estímulos aprovado em fevereiro e que está orçado em 152 bilhões de dólares.

O Secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, disse à Reuters na quinta-feira que estava propenso a ouvir as idéias de Pelosi de dar uma ajuda adicional à economia e organizar uma votação sobre o acordo de livre comércio com a Colômbia, proposto pela administração Bush.

Paulson também afirmou que o Tesouro acelerou sua agenda para distribuir as restituições a partir de segunda-feira. O planejado anteriormente era liberar os pagamentos no começo de maio.

Ele afirmou que os norte-americanos receberão 7,7 milhões de depósitos na próxima semana, com 50 bilhões de dólares em restituição entrando na economia do país até o final de maio. A distribuição de mais de 100 bilhões de dólares será completada até o final de junho.

Bush disse que a economia do país está enfrentando um desaquecimento, mas não uma recessão. O cenário aponta crescimento do desemprego e dos preços dos alimentos e da energia e queda no valor dos imóveis em muitas regiões.

(Reportagem adicional de David Morgan; Edição de Neil Stempleman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG