Tamanho do texto

Macarena Vidal Zagreb, 5 abr (EFE).- As portas da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estão abertas para todos os países do leste europeu e dos Bálcãs, afirmou hoje o presidente dos Estados Unidos, George W.

Bush, em discurso em Zagreb, na Croácia, para parabenizar os novos membros da entidade.

Na praça de São Marcos, onde estão localizadas as sedes do Parlamento e do Governo da Croácia, o presidente americano afirmou que o convite de entrada representa "um voto de confiança" de que os novos membros, Croácia e Albânia, continuarão suas reformas.

A Otan ofereceu o ingresso de pleno direito aos dois países na cúpula encerrada na última sexta em Bucareste. Um terceiro país candidato, a Macedônia, viu sua entrada adiada até que solucione a disputa sobre seu nome com a Grécia.

Acompanhado dos presidentes e primeiros-ministros dos três países durante seu discurso, Bush afirmou que a Macedônia "deve ocupar seu lugar na Otan logo que for possível".

Os analistas lançaram uma advertência sobre a possibilidade de que a rejeição da Aliança possa desestabilizar a frágil república ex-iugoslava e rompa o delicado equilíbrio nos Bálcãs.

"A Otan está aberta a todos os países da região", declarou Bush, lembrando que a entidade ofereceu um "diálogo intensificado" à Bósnia e Montenegro, duas repúblicas ex-iugoslavas.

O presidente também lançou um pedido à Sérvia para que se aproxime da Otan e encontre "o lugar que lhe corresponde na família da Europa e vivendo em paz com seus vizinhos".

A Sérvia, que culpa a Aliança pela recente independência do Kosovo, é hostil à Otan e em sua resistência conta com o apoio da Rússia, que se mostrou muito crítica à expansão da aliança atlântica em direção ao leste europeu.

Bush deve viajar ainda esta tarde para Sochi (Rússia), onde se reunirá pela última vez com o presidente Vladimir Putin antes do final de seu mandato, para reparar suas diferenças nos últimos meses e delinear um "marco estratégico" que sirva de guia para a relação entre seus respectivos sucessores.

Aplaudido com entusiasmo pelo público que enchia a praça - escolhido a convite do Governo croata -, Bush disse que o convite de entrada representa "um voto de confiança em que continuarão as reformas e se transformarão em membros firmes da Aliança".

"Com as mudanças que estão acontecendo nesta região, a Europa está no limiar de uma história nova e esperançosa", declarou o presidente, sendo interrompido constantemente para permitir a tradução de suas palavras.

O primeiro-ministro croata, Ivo Sanader, afirmou em seu discurso de introdução que a Otan tem responsabilidades não apenas como força de paz em locais como o Kosovo e o Afeganistão, mas também na luta contra a pobreza e na defesa da democracia, e para defender uma ordem internacional que estimule "o diálogo no lugar da separação".

"O mundo ainda não é um lugar totalmente seguro e seus valores ainda estão ameaçados em muitos locais", lembrou Sanader.

Bush concluirá sua estadia na capital croata com um almoço de trabalho no qual participarão os presidentes e primeiros-ministros de Croácia, Albânia e Macedônia, oportunidade na qual repetirá suas felicitações pelos convites de entrada na Otan.

Enquanto na praça de São Marcos - local onde os dirigentes croatas juraram seu cargo nos últimos 700 anos - o público se despedia de Bush com abraços e apertos de mãos, em outras áreas da capital croata o entusiasmo por esta visita era menos evidente.

Entre 150 e 200 ativistas da Ação Antiimperialista (AIA) e de outras organizações protestaram ontem, quando Bush chegou à Croácia, na praça da República da França de Zagreb contra sua política. EFE mv/mac/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.