Bush diz que plano de resgate ainda demorará algum tempo para funcionar

Washington, 6 out (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, George W.

EFE |

Bush, afirmou hoje que o plano de resgate financeiro aprovado na última sexta pelo valor de US$ 700 bilhões ainda demorará algum tempo para surtir efeito.

Em declarações à imprensa desde San Antonio (Texas), onde hoje se reuniu com pequenos empresários, Bush pediu paciência enquanto os mercados sofrem fortes quedas.

A lei que contém o plano de resgate entrou em vigor na última sexta, mas "ainda vai demorar algum tempo" até começar a funcionar totalmente, declarou Bush, que, no entanto, especificou que a medida representa um "grande passo" para enfrentar a crise financeira.

Ele afirmou que a estratégia que pretende iniciar o plano de resgate é "liberar o crédito, que o dinheiro volte a se movimentar", e antecipou que "isto vai demorar algum tempo".

"Não queremos nos apressar tanto nesta situação que o programa não seja eficaz", declarou o presidente, que disse que também é importante garantir que o plano de resgate não esbanje o dinheiro dos contribuintes.

Bush admitiu que boa parte do público está descontente com a medida, que muitos contribuintes percebem como uma salvação para Wall Street em detrimento das economias familiares, mas afirmou que o plano de resgate e a intervenção das autoridades é necessária, pois de outra forma as pequenas empresas e as famílias "serão muito prejudicadas".

O plano de resgate do sistema financeiro nos EUA, avaliado em cerca de US$ 700 bilhões, foi aprovado no Congresso na última sexta e Bush o assinou imediatamente.

O eixo central do acordo é a capacidade do Tesouro para adquirir a dívida de má qualidade dos bancos pelo valor de até US$ 700 bilhões.

Em comunicado, os assessores econômicos da Casa Branca afirmaram hoje que a situação no sistema financeiro dos EUA é ainda grave apesar da entrada em vigor do plano de resgate e concordaram com o presidente em que o efeito da medida demorará ainda para ser percebida. EFE mv/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG