Bush diz que período de suspensão da redução de tropas será para avaliação

Macarena Vidal Washington, 10 abr (EFE).- As reduções gradativas dos últimos meses no número de soldados dos Estados Unidos no Iraque serão suspensas em agosto, segundo anunciou o presidente George W.

EFE |

Bush em discurso no qual fez fortes advertências ao Irã.

Em discurso na Casa Branca, Bush disse que aceitou as recomendações do comandante das tropas americanas no Iraque, general David Petraeus e, assim, no dia 31 de julho, serão retirados os últimos soldados, dos quais havia ordenado a saída há 15 meses, de uma "leva" de 30 mil efetivos.

Depois disso será iniciado um período de avaliação - sem duração definida - para determinar como a situação evolui no território, afirmou o presidente, acrescentando que nos últimos 15 meses, foi realizado um "giro estratégico e agora as tropas dos EUA possuem a iniciativa".

O presidente americano disse a Petraeus que "terá todo o tempo que for necessário" para avaliar a situação. "Alguns sugeriram que este período será uma pausa. Isso é uma falsa impressão, porque não se interromperá nenhuma de nossas operações no Iraque. Em seu lugar, usaremos os próximos meses para aproveitar as oportunidades criadas", acrescentou.

Uma vez concluídas as reduções atuais, o número de tropas dos EUA no Iraque, que atualmente são 158 mil, ficará em aproximadamente 138 mil soldados.

Isso significa que, quase com toda segurança, o próximo presidente americano herdará em janeiro do próximo ano uma presença militar no Iraque ainda muito numerosa e, com ela, o problema de como e quando retirar esses soldados.

Os aspirantes presidenciais democratas Hillary Clinton e Barack Obama são partidários de uma retirada tão rápida quanto seja possível, enquanto o candidato republicano, John McCain, defende a permanência dos soldados até que o Iraque esteja completamente estabilizado.

Bush viu seus índices de aceitação caírem para menos de 40%, devido à impopularidade da guerra entre os americanos.

Em seu discurso, o presidente anunciou também uma diminuição no tempo de desdobramento das unidades no Iraque. Atualmente é de quinze meses e passará a ser de um ano, para permitir mais intervalo a soldados que, em muitos casos, cumprem seu segundo, terceiro ou até quarto serviço no país árabe.

O anúncio aconteceu depois que, esta semana, Petraeus e o embaixador americano em Bagdá, Ryan Crocker, apresentaram seu relatório ao Congresso sobre a situação no Iraque, no qual recomendaram uma pausa na redução de tropas.

Segundo Bush, foram conseguidos "progressos significativos" no país árabe, embora persistam problemas como a influência iraniana ou a presença da rede terrorista Al Qaeda.

Neste sentido, enfatizou que "um Iraque livre não tolerará as interferências de militantes iranianos" e pediu ao Governo de Teerã para escolher entre viver em paz com seu vizinho ou continuar suas tentativas de desestabilização.

"Se o Irã tomar a decisão correta, os EUA o encorajará a seguir pelo caminho da paz; mas, se não, protegeremos nossas tropas e nossos interesses", observou o presidente americano que após seu discurso partiu para seu rancho em Crawford (Texas) para passar o fim de semana.

Por sua vez, o secretário de Defesa, Robert Gates, que discursa hoje perante o Senado, indicou que o Pentágono está de acordo com a decisão presidencial e afirma que o período de revisão não será "longo".

Em seu discurso diante do Senado, distribuído com adiantamento pelo Pentágono, Gates disse ter esperança de será possível voltar a reduzir a presença do país no Iraque no outono (do hemisfério norte).

Mesmo assim, especificou, "a situação da segurança é frágil e o que ganhamos até agora podemos perder".

Em resposta ao discurso de Bush, o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, afirmou que o anúncio pode ser descrito como "um passo a frente e dois atrás".

"Nossas tropas continuam em uma guerra civil sem fim, nossas forças estão muito desgastadas e não podemos responder às ameaças que surgem no mundo", denunciou. EFE mv/fb POL:POLÍTICA,GOVERNO POL:POLÍTICA,EXTERIOR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG