Bush diz que pacote pode evitar que crise se espalhe

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta segunda-feira que o pacote de US$ 700 bilhões - voltado para salvar instituições afetadas pela crise econômica - vai ajudar a evitar que a crise financeira se espalhe para o resto da economia americana.

BBC Brasil |

O presidente americano elogiou o esforço feito por políticos democratas e republicanos, que no final de semana anunciaram um acordo político para aprovar o pacote de US$ 700 bilhões.

O projeto de lei do pacote - que também inclui algumas modificações nas regras do sistema financeiro - começa a tramitar no Congresso americano nesta segunda-feira.

"Eu entendo completamente que esta será uma votação difícil", disse Bush, em pronunciamento na Casa Branca, alertando que o pacote "vai ajudar a evitar que a crise do nosso sistema financeira se espalhe por toda a economia."
Bush disse que os parlamentares podem "enviar um forte recado" aos mercados financeiros ao aprovar rapidamente a nova legislação. Ele afirmou que o pacote não vai resolver todos os problemas da economia americana. Ele previu que as dificuldades devem continuar "por algum tempo".

O presidente americano também disse que espera que os contribuintes recebam de volta o dinheiro público que será usado para salvar instituições afetadas pela crise econômica.

Acordo
Líderes dos partidos Republicano e Democrata no Congresso dos Estados Unidos chegaram neste domingo a um acordo sobre o texto do pacote de US$ 700 bilhões para socorrer o setor financeiro.

Os congressistas fecharam um acordo sobre detalhes do projeto, que tem mais de cem páginas e modifica pontos do plano original apresentado pelo governo, depois de negociações que se estenderam por todo o final de semana.

A previsão é de que o plano seja votado na Câmara dos Representantes nesta segunda-feira e chegue ao Senado até quarta-feira.

O pacote representa a maior intevenção nos mercados desde a Grande Depressão da década de 30 e tem como objetivo principal retirar do mercado os "créditos podres" ligados à crise de hipotecas que estão em poder do mercado financeiro nos Estados Unidos.

O governo pretende comprar esses papéis para retirá-los da mão das empresas, fazendo com que sua situação financeira melhore, diminuindo o risco de falência e, em tese, aumentando o volume de dinheiro e crédito à disposição do mercado em geral.

O acordo contempla a maior parte das exigências dos democratas e dos republicanos que eram contra o pacote original proposto pelo governo.

Entre as mudanças estão a determinação de que os US$ 700 bilhões serão liberados em etapas.

Apesar da notícia sobre o acordo americano, as bolsas continuaram operando em queda. Na Ásia, a bolsa de Tóquio fechou em baixa de 1,3%. A bolsa de Hong Kong também encerrou o pregão em baixa de 4%.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG