Bush diz que doutrina de ataques preventivos evitou ações terroristas

Washington, 9 dez (EFE) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, defendeu hoje a política de segurança nacional aplicada em seu mandato, afirmando que evitou novos atentados terroristas, depois dos ataques de 11 de setembro de 2001.

EFE |

Bush falou hoje perante os cadetes da Academia Militar de West Point, no estado de Nova York, em discurso que representa parte de uma série de pronunciamentos feitos para defender seu legado, quando restam cerca de 40 dias para que deixe o poder.

No discurso, o presidente, que entregará o cargo a seu sucessor, Barack Obama, em 20 de janeiro, lembrou os atentados de 11 de Setembro e afirmou que decidiu "que nunca mais nos atacariam, e, por isso, fomos à ofensiva contra os terroristas no exterior para não ter de enfrentá-los em nosso solo".

As palavras do presidente representam uma defesa de sua política de ataques preventivos contra as ameaças terroristas no exterior, conhecida também como a "Doutrina Bush", e que, no momento de sua formulação, causou uma forte polêmica internacional.

"Entendemos que se esperarmos que as ameaças se materializem, teremos esperado demais. Portanto, deixamos claro que os regimes hostis que patrocinam o terrorismo ou buscam obter armas de destruição em massa teriam que responder a suas ações", sustentou hoje o líder americano.

Bush ressaltou que, desde os atentados de 11 de Setembro, "vimos a necessidade de nos mantermos um passo à frente de nosso inimigo, portanto transformamos nossas Forças Armadas, tanto para nos impor nos campos de batalha quanto para enfrentar as ameaças do futuro".

Segundo o presidente, a política de segurança nacional iniciada por seu Governo permitiu "enfraquecer as redes terroristas" e desbaratar planos para atacar território americano.

Além disso, de acordo com o líder, os Estados Unidos contribuíram para melhorar a capacidade de resposta dos aliados perante a ameaça terrorista e melhoraram a troca de dados de inteligência.

"Reconhecemos que a única via para derrotar o terrorismo a longo prazo é apresentar uma alternativa à sua ideologia de ódio", pelo que, afirmou Bush, seu Governo fomentou o estabelecimento de regimes democráticos no Iraque e no Afeganistão, que "emergem como exemplos para o Oriente Médio".

Segundo ele, "as forças Armadas dos EUA são hoje dia mais firmes, ágeis e melhor preparadas contra as ameaças a nosso povo do que há oito anos. Nos próximos anos, nosso país deve seguir desenvolvendo a capacidade de levar a luta a nossos inimigos no mundo e devemos permanecer na ofensiva". EFE mv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG