Jerusalém, 14 mai (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, George W.

Bush, chegou na manhã de hoje a Israel, onde se reunirá com os dirigentes do país e participará de uma conferência por ocasião do 60º aniversário da criação do Estado judeu.

Bush foi recebido no aeroporto Ben Gurion, próximo a Tel Aviv, pelo presidente, Shimon Peres, e o primeiro-ministro, Ehud Olmert.

Após a execução dos hinos dos dois Estados, Bush cumprimentou a presidente do Parlamento, Dalia Itzik, e vários ministros.

Depois, Peres, Olmert e Bush pronunciaram um breve discurso, no qual o presidente americano ressaltou seu "orgulho" de reafirmar com esta visita a amizade entre os dois povos.

"Nossas nações enfrentam grandes desafios e têm os mesmos princípios para triunfar perante eles", disse.

Peres agradeceu a Bush a "forte amizade" e a "dedicação à paz e à segurança na região", enquanto Olmert qualificou o líder americano como o "aliado e parceiro mais próximo" de Israel, e agradeceu por seu "compromisso sem limite com a segurança e bem-estar" do Estado judeu.

Em seguida, Bush viajou em um helicóptero a Jerusalém, onde se reunirá por volta das 14h (8h de Brasília) com Peres, organizador da conferência.

Uma hora depois, se encontrará mais uma vez com Olmert, a quem demonstrou recentemente seu apoio, apesar das novas suspeitas de corrupção que pesam sobre ele.

Às 20h (14h de Brasília), Bush assistirá com Olmert e suas respectivas esposas a um evento no Centro de Exposições e Congressos de Jerusalém, que conta ainda com a participação de outros doze chefes de Estado.

A conferência de três dias, inaugurada na terça-feira, reúne 3.500 convidados, entre eles dezenas de líderes políticos, econômicos e sociais, como o ex-primeiro-ministro do Reino Unido e atual enviado do Quarteto do Oriente Médio, Tony Blair, o artífice da Perestroika, Mikhail Gorbachov, e o ex-presidente do Governo espanhol José María Aznar.

O objetivo da conferência é analisar em 35 painéis os desafios da sociedade global e o futuro do povo judeu e do Estado de Israel no contexto internacional.

Bush deve pronunciar um discurso sobre os laços de amizade entre EUA e Israel, que é considerado o principal ato do evento.

Amanhã, Bush fará um pronunciamento aos deputados da "Knesset", o Parlamento israelense.

O presidente americano não deve viajar à cidade cisjordaniana de Ramala para se reunir com seu colega palestino, Mahmoud Abbas.

Na sexta-feira, Bush deixará Israel para continuar sua viagem de cinco dias pelo Oriente Médio, que inclui Arábia Saudita e Egito.

EFE ap/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.