Bush apóia suspensão de retirada parcial do Iraque

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou nesta quinta-feira que apóia a suspensão da retirada parcial das tropas americanas do Iraque, marcada para julho.

BBC Brasil |

Em um pronunciamento nesta quarta-feira, o presidente americano afirmou que a redução vai continuar até julho, como o planejado. A partir de então, os militares terão mais tempo par avaliar os passos seguintes.

Bush afirmou que aceitará a recomendação do comandante das forças militares dos Estados Unidos no Iraque, general David Petraeus, e acrescentou que o militar "terá todo o tempo que precisa" para avaliar "como a presença americana reduzida vai afetar as condições" no país.

"Alguns sugeriram que este período de avaliação será uma pausa", disse. "Isso é um engano, pois nenhuma de nossas operações no Iraque será paralisada."
"Ao contrário, vamos usar os próximos meses para aproveitar as oportunidades criadas pelo aumento do número de soldados e continuar com as operações", acrescentou.

Na terça-feira, o general David Petraeus recomendou a suspensão da retirada parcial de tropas americanas do Iraque como forma de ajudar a consolidar os avanços conquistados no combate à violência no país.

A declaração foi feita diante do Congresso americano, durante uma apresentação sobre os progressos no Iraque, junto com o embaixador dos Estados Unidos em Bagdá, Ryan Crocker.

"Mudança estratégica"
Bush também afirmou que uma "grande mudança estratégica" ocorreu no Iraque. Segundo o presidente americano, nos últimos 15 meses, ocorreram progressos militares e políticos.

De acordo com Bush, a economia iraquiana também "está progredindo".

"A economia do Iraque está crescendo, a renda do petróleo também e seu capital de investimento está se expandindo", afirmou. "Nosso papel econômico no país está mudando."
O presidente americano disse que o mais recente orçamento do Iraque já ultrapassa a ajuda americana para a reconstrução do país.

"O financiamento americano para projetos de reconstrução de grande escala está chegando a zero", acrescentou. "Nossa parte no custo de segurança do Iraque também vai cair, enquanto os iraquianos pagam pela grande maioria de sua própria polícia e Exército."
Em seu pronunciamento, Bush também afirmou que vai diminuir os períodos em que os soldados servem no Iraque e no Afeganistão, de 15 para 12 meses a partir de 1º de agosto, e que os militares passarão um ano em casa para cada ano fora dos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG