O presidente George W. Bush disse nesta quinta-feira que Irã e Síria estão minando a democracia no Líbano, e reafirmou seu apoio ao governo do primeiro-ministro Fuad Siniora, 25 anos após o sangrento atentado contra a embaixada americana em Beirute.

"Os Estados Unidos continuarão apoiando o governo e o povo libaneses em sua luta para preservar sua soberania e independência, se esforçando para dar justiça às vítimas do terrorismo e da violência política, e buscando a eleição de um presidente comprometido com estes princípios", destacou Bush em um comunicado.

Segundo Washington, a oposição liderada pelo Hezbollah e a Síria sabotam os esforços do Líbano para eleger um chefe de Estado que substitua o pró-sírio Emile Lahud, que concluiu seu mandato em novembro.

Em outro comunicado, Bush lembrou o atentado de 18 de abril de 1983 contra a embaixada dos Estados Unidos em Beirute, realizado pela Organização da Jihad Islâmica, que segundo alguns funcionários foi a precursora do Hezbollah, o poderoso movimento integrista xiita.

"No 25º aniversário deste atentado, choramos pelos que morreram, e honramos o sacrifício de suas famílias e amigos e dos muitos que foram feridos", assinalou Bush sobre o ataque, que deixou 52 mortos.

ok/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.