Bush afirma que a Otan está aberta a todos os países do Balcãs

O presidente norte-americano George W. Bush afirmou neste sábado, em Zagreb, que a Otan está aberta a todos os países dos Balcãs e que a Macedônia deve ser integrada o quanto antes, mas não disse nada a respeito das aspirações de admissão de Geórgia e Ucrânia.

AFP |

"A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) está aberta a todos os países da região", afirmou Bush diante de milhares de pessoas reunidas na Praça São Marcos, coração político da capital croata.

O chefe de Estado norte-americano lamentou a decisão da Otan de não integrar a Macedônia à espera de uma solução para seu conflito com a Grécia. Também manifestou a esperança de que a Sérvia, outro país dos Balcãs e um aliado da Rússia, encontre um dia "o lugar que lhe corresponde na família européia".

"A posição dos Estados Unidos é clara: a Macedônia deve ocupar seu lugar na Otan o quanto antes possível", acrescentou.

"A Macedônia realizou difíceis reformas e fornece uma importante contribuição às missões da Otan no exterior", insistiu Bush.

Albânia e Croácia foram convidadas oficialmente na quinta-feira na reunião de cúpula da Otan em Bucareste a se juntar à Aliança Atlântica, mas o ingresso da Macedônia foi adiado devido ao veto da Grécia, com a qual a ex-república iugoslava enfrenta uma divergência bilateral relativa a seu nome.

A Otan decidiu adiar também a aceitação das candidaturas de Ucrânia e Geórgia, medida que suscita forte divisão entre os membros da Aliança e que enfrenta a enérgica oposição da Rússia.

Poucas horas antes do encontro com seu colega russo, Vladimir Putin, o presidente norte-americano não mencionou a Geórgia nem a Ucrânia.

Os esforços de Bush para que Geórgia e Ucrânia obtenham o status de candidatas oficiais à Otan também contribuíram consideravelmente para aumentar a tensão.

Essas pressões parecem ter sido interrompidas subitamente esta semana, quando a Aliança Atlântica decidiu postergar a concessão do status.

No entanto, a Otan assumiu um compromisso claro em relação à adesão das duas ex-repúblicas soviéticas.

Putin, que na sexta-feira compareceu à reunião do Conselho Otan-Rússia, advertiu que "o surgimento de um bloco poderoso nas fronteiras da Rússia (seria) considerado uma ameaça direta à segurança" do país, e protestou contra a falta de consideração pelos interesses russos.

Bush viajou neste sábado para Sochi, às margens do Mar Negro, onde se reunirá com o presidente da Rússia.

Este encontro entre Bush e Putin, que é o último de ambos como presidentes, será dominado pelo tema do projeto de um escudo antimísseis norte-americano na Europa, que desencadeou uma retórica de guerra fria em Moscou.

O presidente norte-americano se referiu à Sérvia, aliada da Rússia.

"Esperamos que em breve uma Sérvia livre e próspera encontre a posição que corresponde a ela na família européia", declarou.

Diante de uma multidão que aparentemente apoiava sua causa, apesar da recente oposição dos croatas à adesão, Bush se referiu à história, à queda do comunismo e às guerras que devastaram os Balcãs, incluindo a de independência da Croácia (1991-1995), para elogiar os méritos da Otan.

"Os habitantes da Europa estão mais próximos que nunca de um sonho compartilhado por milhões de seres humanos: uma Europa completa, uma Europa em paz, uma Europa livre", declarou Bush aos presidentes e primeros-ministros croata, albanês e macedônio, reunidos na pequena praça.

Faltando menos de dez meses para o fim de seu mandato, seu governo considera que a ampliação da Aliança Atlântica faz parte de sua herança.

Leia mais sobre: Bush

    Leia tudo sobre: bush

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG