Bush admite que economia desacelerou, mas acredita nas medidas adotadas

Washington, 25 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, George W.

EFE |

Bush, reconheceu hoje que a economia do país desacelerou, mas garantiu que as medidas fiscais aprovadas por seu Governo significarão em breve um estímulo.

Entre essas medidas, está a entrega de quantias no valor de até US$ 1.200 por casal e US$ 300 para cada menor dependente a cerca de 130 milhões de famílias.

Em declaração nos jardins da Casa Branca, antes de ir a Connecticut para participar de um ato de arrecadação de fundos, Bush disse que "esse dinheiro ajudará os americanos a resistir aos efeitos da alta da gasolina, no supermercado, e também dará impulso à economia, para nos ajudar a sair deste arrefecimento".

O dinheiro começará a ser entregue a partir da próxima semana, disse o presidente americano.

"É evidente que nossa economia está em um período lento.

Felizmente, reconhecemos os sinais cedo e tomamos medidas", afirmou.

O Governo dos EUA nega, mas a maioria dos analistas considera que a economia do país entrou em recessão, arrastada pela crise nos mercados imobiliário e creditício.

No último trimestre de 2007, a economia cresceu apenas 0,6%. O desemprego está em 5,1%, o nível mais alto desde setembro de 2005, depois que no primeiro trimestre deste ano houve a perda de 250.000 postos de trabalho. EFE mv/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG