Buscas por vítimas do terremoto são interrompida na Itália

Roma - Todas as pessoas desaparecidas pelos desabamentos causados pelo terremoto na Itália já foram encontradas, a maioria mortas, por isso que, segundo os bombeiros, as buscas por corpos foram interrompidas, embora se prestará atenção durante a retirada de escombros para ver se ainda se aparece algum.

EFE |

Os bombeiros, segundo disseram à imprensa local, não acham que debaixo dos escombros possa haver, sete dias depois do terremoto, pessoas vivas, já que consideram que um corpo humano não resiste mais de cinco dias.

Com essas premissas, o número de mortos pelo terremoto de 5,8 graus que sacudiu a região central de Abruzzo, e especialmente a capital, L'Aquila, é de 293, depois que ontem se recuperou os corpos de duas mulheres, uma idosa e outra de 44 anos, e o de um jovem de 17 anos, filho da senhora mais jovem.

De entre os escombros também foram recuperadas nestes dias com vida um total de 150 pessoas, a última a jovem Eleonora Calesini, achada na quarta-feira passada, 42 horas após ficar soterrada.

Uma vez que tudo parece indicar que já não há mais vivos, se começou a investigar, por ordem da Promotoria de L'Aquila, a que se deveu tantos desabamentos e se isso foi causado por uma má construção, na qual não se respeitou as leis para construção em áreas sísmicas.

Os primeiros controles foram feitos nas destruídas Casa do Estudante - uma residência de estudantes, tipo colégio onde morreram oito jovens - e no Hospital de San Salvador.

AP

Segundo publica hoje o jornal "Corriere della Sera" as suspeitas sobre anomalias nas construções tornaram-se realidade e os peritos nomeados pelo promotor descobriram que os pilares foram fabricados com uma quantidade de ferro menor que a determinada pela normativa e por isso que não resistiram ao tremor de 5,8 graus da madrugada do dia 6.

Segundo os peritos, sempre segundo as mesmas fontes, se as regras antissísmicas tivessem sido respeitadas o número de prédios derrubados teria sido menor, assim como o de falecidos.

Enquanto as investigações prosseguem e os desabrigados se preparassem para celebrar a Páscoa, a terra voltou a tremer hoje com uma réplica de uma magnitude de 3,1 graus.

O presidente do Governo, Silvio Berlusconi, voltará hoje a L'Aquila, para passar com os desabrigados a Páscoa, uma das festas mais comemoradas entre os italianos.


Epicentro do terremoto foi em L'Aquila, no centro da Itália


Clique para ver o infográfico

(*com informações da BBC, AFP e Ansa)

Leia também:


Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: itália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG