Houston (EUA), 14 set (EFE) - As equipes de resgate realizam hoje uma intensa busca por outras possíveis vítimas do furacão Ike, que se transformou em tempestade tropical e que deixou pelo menos quatro mortos em sua passagem por Texas e Louisiana (Estados Unidos). Enquanto isso, as autoridades americanas tentam avaliar os prejuízos causados por Ike. Até o momento, foram resgatadas quase mil pessoas, segundo o escritório do governador do Texas, Rick Perry, na que foi a maior operação de busca e assistência da história do estado. Na Louisiana, os atendidos chegam a 600.

Calcula-se que até 140 mil pessoas ignoraram as recomendações de evacuação feitas pelas autoridades e permaneceram nas regiões mais afetadas pelo furacão, especialmente na ilha de Galveston, onde "Ike" tocou terra.

As autoridades confirmaram a morte de quatro pessoas por conta do furacão, duas no Texas e outras duas na Louisiana.

As equipes de resgate tentam localizar o maior número de pessoas antes do entardecer, para evitar que as possíveis vítimas sejam obrigadas a passar uma segunda noite sem teto ou entre escombros.

As tarefas são dificultadas pelos entulhos, veículos e árvores derrubadas que se acumulam na ilha, assim como a intensa chuva que ainda cai sobre a região e ameaça causar novas inundações.

Na cidade de Houston, onde "Ike" deixou sentir toda a sua força, foi declarado toque de recolher entre 21h e 6h até o próximo sábado diante dos danos sofridos.

Cerca de dois milhões de pessoas estão sem eletricidade e os semáforos não funcionam, assim como a iluminação noturna. Além disso, muitas ruas estão fechadas por causa das inundações ou dos escombros deixados pela tempestade.

O furacão "Ike" arrancou vidraças dos edifícios, desprendeu telhados e carregou paradas inteiras de ônibus.

Segundo o chefe de Polícia em Houston, Harold Hurtt, diversas pessoas foram presas por saques.

A prioridade, destacaram as autoridades, é reparar os cabos elétricos nas regiões afetadas. Quase quatro milhões de pessoas, entre Texas e Louisiana, ficaram sem eletricidade por conta do ciclone.

Outro setor preocupante é a produção de gasolina. O furacão, que entrou no Texas com ventos superiores a 170 km/h, obrigou ao fechamento de 15 refinarias no Golfo do México, onde se acumula 22% da capacidade americana.

É a pior interrupção de fornecimento em três anos, quando a passagem do furacão "Rita" pelo Texas também levou à interrupção dos trabalhos das refinarias.

Conforme disse hoje o presidente dos Estados Unidos, George W.

Bush - que na terça-feira irá à região atingida -, ainda é muito cedo para determinar até que ponto a produção de gasolina ficou prejudicada.

"Ainda é muito cedo para determinar qual é a situação exata, mas posso dizer que um dos oleodutos que vêm do golfo funciona", afirmou Bush.

Os especialistas tentam determinar se um segundo oleoduto poderá começar a operar imediatamente.

A senadora republicana pelo Texas Kay Bailey Hutchinson disse hoje que podem ser necessários até nove dias para que as refinarias recuperem a operabilidade, e advertiu sobre a possibilidade de escassez de gasolina durante esse período.

As companhias seguradoras calculam que os prejuízos causados por "Ike" podem variar entre os US$ 8 bilhões e US$ 18 bilhões.

Na Louisiana, 180 mil casas e lojas permanecem sem eletricidade.

Na paróquia de Terrebonne, a mais de 300 km do Texas, 13 mil edifícios foram inundados após um dique se romper.

Contudo, as autoridades consideram que os danos foram menores do que se temia.

O furacão "Ike" se encontrava hoje em Arkansas. EFE mv/rb/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.