Viena, 20 abr (EFE).- O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida estabilizou-se desde 2000, mas ainda demorará décadas a se regenerar e a se fechar, o que, no mais breve, ocorrerá em 2065.

Esta é a conclusão dada hoje à imprensa pelo climatólogo americano David J. Hofmann, da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA (NOAA), em entrevista coletiva em Viena.

Apesar da estabilização "ainda não há sinais de uma recuperação" sobre o polo sul, embora o especialista afirme que, caso continue a tendência atual, o buraco poderia começar a se fechar a partir do ano 2030. EFE ll/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.