Londres, 16 set (EFE).- O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, superou hoje uma rebelião de deputados trabalhistas que desejam desafiar sua liderança, após o Comitê Executivo Nacional do partido se negar a facilitar o processo.

Doze deputados trabalhistas solicitaram ao Comitê Executivo Nacional que enviasse a todos os seus parlamentares os formulários para apresentar candidaturas à liderança da legenda antes do congresso anual do Partido Trabalhista, que começa no sábado em Manchester, no norte da Inglaterra.

No final de sua reunião de hoje, o Comitê Executivo Nacional rejeitou o pedido, já que é necessário que 70 deputados peçam os formulários para iniciarem o processo.

Vários parlamentares trabalhistas se juntaram nos últimos dias à solicitação de duas deputadas que desejam desafiar a liderança de Brown, após a queda do apoio ao partido, no poder no Reino Unido desde 1997.

Este pedido contou com o apoio de outros deputados trabalhistas, em sua maioria de partidários do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, pois consideram que, com Brown, o partido pode sofrer um desastre nas próximas eleições gerais, previstas para 2010.

Por causa deste descontentamento dentro do partido, o ministro das Finanças britânico, Alistair Darling, pediu hoje a seus companheiros - em declarações à "BBC" - que "apóiem" Brown por considerar que o primeiro-ministro é "a pessoa adequada para liderar o país".

Darling disse que as pessoas estão preocupadas com assuntos como o colapso do banco de investimentos Lehman Brothers.

"Tenho toda a confiança em Gordon Brown. Acho que é a pessoa adequada para liderar o país e nosso partido", afirmou o ministro.

A insatisfação interna se deve à queda do Partido Trabalhista em todas as pesquisas de intenção de voto, enquanto os conservadores passaram de 27% para 46% de apoio.

A isto se juntam as derrotas sofridas em eleições recentes, tanto nos pleitos municipais na Inglaterra e no País de Gales como em todas as circunscrições eleitorais onde há uma vaga. EFE vg/wr/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.