Brown reforma gabinete e Mandelson faz retorno surpresa ao governo

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, surpreendeu, nesta sexta-feira, ao convocar para seu novo gabinete o polêmico Peter Mandelson, até então comissário europeu do Comércio, como parte de sua reforma ministerial, em meio à crise financeira mundial e aos ataques dos trabalhistas.

AFP |

Mandelson, de 54 anos, deixa Bruxelas para se tornar ministro do Comércio, cargo que já havia ocupado em julho de 1998 no governo de Tony Blair e ao qual teve de renunciar por envolvimento em vários escândalos.

O atual ministro, John Hutton, deixará a pasta para ocupar a Defesa, no lugar de Des Browne, que efetivamente deixará a Administração, de acordo com o canal público de TV Sky News.

O "Ppríncipe das Trevas" - como é chamado pelos jornalistas -, que apoiou Blair em detrimento de Brown para a direção do Partido Trabalhista, retornou ao governo em 1999, dessa vez como responsável pela questão da Irlanda do Norte. Dois anos depois, também teve de renunciar devido a uma sombria história sobre a concessão de passaporte britânico a um bilionário indiano.

Brown dedicou boa parte da entrevista coletiva dada nesta sexta para justificar a escolha de um personagem tão controverso. Pouco antes, Mandelson já havia destacado o "trabalho excepcional" do premier, "em condições muito, muito difíceis".

Crítico ferrenho da atuação de Brown, cujo índice de popularidade está em seus piores níveis, Mandelson reconheceu que a relação de ambos apresenta "altos e baixos", mas disse "estar muito orgulho de ter sido convidado para servir a esse governo".

"Não fui atrás (do cargo) e, certamente, não esperava por isso", afirmou.

A Comissão Européia já anunciou que seu posto será ocupado por Catherine Ashton.

Os principais ministros do gabinete de Brown manterão suas pastas: David Miliband (Relações Exteriores), Alistair Darling (Finanças), Jacqui Smith (Interior) e Jack Straw (Justiça).

Dois ex-ministros da era Blair estão de volta: Geoff Hoon, ex-Defesa, será ministro dos Transportes; e a ex-chefe da Diplomacia Margaret Beckett assumirá a secretaria de Estado de Habitação.

Um novo ministério foi criado, reunindo os setores de Energia e Aquecimento Global, e será entregue a Ed Miliband, irmão de David e um dos mais próximos conselheiros de Brown, cujo peso parece aumentar no Partido Trabalhista.

A reforma do gabinete era esperada há várias semanas, dentro do contra-ataque político-econômico de Gordon Brown, que enfrenta, ao mesmo tempo, uma crise financeira mundial e rebeliões nas próprias filas.

Brown também anunciou a instalação de um Conselho Econômico Nacional (NEC). Esse conselho, composto pelos principais ministros, será encarregado de coordenar o apoio à população e às empresas no cenário econômico atual.

et/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG