Brown quer mudar benefícios dados a deputados britânicos

Londres, 21 abr (EFE).- O primeiro-ministro do Reino Unido, o trabalhista Gordon Brown, anunciou hoje seu desejo de realizar na próxima semana uma votação na Câmara dos Comuns sobre a reforma do polêmico sistema de benefícios dados aos deputados do país.

EFE |

Em um vídeo posto no site do Governo, Brown defendeu que se "atuar urgentemente" para "restaurar a confiança das pessoas em que os parlamentares servem aos cidadãos e não a si mesmos".

O premiê envia a mensagem após vários escândalos que recentemente atingiram deputados do Partido Trabalhista e que, segundo admitiu o próprio líder, projetaram uma "sombra sobre o Parlamento em seu conjunto".

Um dos escândalos mais famosos foi o chamado "pornogate", que afetou em março passado a ministra do Interior, Jacqui Smith, após ser divulgado que seu marido usou parte das diárias parlamentares da política para comprar dois filmes pornográficos.

No entanto, Brown se disse hoje a favor de acabar com esse tipo de caso e ressaltou que quer realizar a votação na Câmara dos Comuns na próxima semana.

O chefe de Governo defende o corte das despesas dos 646 deputados que integram a Câmara, que no ano passado chegaram s 93 milhões de libras (105 milhões de euros) procedentes do bolso do contribuinte.

Brown pretende acabar, por exemplo, com os benefícios para a manutenção de uma segunda casa recebidos pelos parlamentares de circunscrições eleitorais de fora de Londres, que podem pedir até 24.220 libras (27.126 euros) ao ano.

O líder trabalhista, que acredita que as mudanças do sistema poderiam entrar em vigor já em julho próximo, prefere que os legisladores recebam um benefício diário baseado em sua presença no Parlamento ou em seu envolvimento em assuntos governamentais.

Além disso, o premiê é partidário de que os empregados nos escritórios dos deputados sejam designados pelas autoridades parlamentares de uma maneira mais transparente.

Brown manifestou também sua disposição de se reunir com os líderes do Partido Conservador (principal de oposição), David Cameron, e do Partido Liberal-Democrata, Nick Clegg, para analisar a proposta de reforma.

Cameron agradeceu hoje a vontade do premiê britânico de se reunir com os líderes da oposição, embora tenha ressaltado querer "mais reformas". EFE pa/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG