Brown propõe US$100 bi anuais de ricos para proteger clima

Por Gerard Wynn LONDRES (Reuters) - Os países desenvolvidos precisam arcar com 100 bilhões de dólares por ano a fim de combater a mudança climática no mundo em desenvolvimento até 2020, disse o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, nesta sexta-feira.

Reuters |

Ambientalistas apoiaram a primeira proposta do tipo feita por um líder mundial e elogiaram o momento em que foi apresentada, duas semanas antes de uma cúpula sobre o clima com as 17 maiores economias do mundo desenvolvido e em desenvolvimento. A Índia considerou a proposta aquém das expectativas, mas disse que era algo para servir de base.

Discussões lideradas pela Organização das Nações Unidas (ONU) visam negociar um novo tratado para combater a mudança climática até dezembro, quando representantes de 190 países vão se reunir em Copenhague para debater um novo acordo climático global.

Os países têm discordado sobre o quanto as nações ricas deveriam financiar ações nos países em desenvolvimento.

"Proponho que adotemos um número operacional de cerca de 100 bilhões de dólares por ano até 2020", disse Brown ao discursar no zoológico de Londres, com uma tela de fundo com emas e pequenos cangurus em meio a uma paisagem árida, sugerindo as secas que a Europa poderia enfrentar caso nenhuma medida seja tomada.

"Se é para chegarmos a um acordo em Copenhague, acredito que precisamos levar o debate do impasse para números hipotéticos", disse ele a diplomatas estrangeiros e personalidades públicas.

Grupos ambientalistas demonstraram um raro entusiasmo geral após quatro anos de pouco progresso para concordar sobre um acordo que substitua o Protocolo de Kyoto depois de 2012.

"Politicamente, é muito importante, mas ainda há uma questão sobre a ambição," disse Keith Allott, da ONG ambiental WWF UK.

A quantia de 100 bilhões de dólares ficou bem abaixo das expectativas do que havia sido pedido por muitos países em desenvolvimento. A Índia, por exemplo, sugeriu que os países desenvolvidos fornecessem 1 por cento do PIB, e não se impressionou com a proposta de sexta-feira.

"É pouco, mas ao menos alguém disse alguma coisa", disse Pradipto Ghosh, do The Energy and Resources of Institute (TERI), com sede em Nova Délhi, membro do painel climático do primeiro-ministro Manmohan Singh.

O número de 1 por cento do PIB era "obviamente um número fantasioso", disse a jornalistas uma importante autoridade do governo britânico na sexta-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG