Brown diz que Governo prepara sanções mais duras contra Zimbábue

Londres, 25 jun (EFE) - O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, anunciou hoje no Parlamento que o Governo britânico estava preparando sanções mais duras contra pessoas específicas do regime do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe.

EFE |

Brown também manifestou esperança em que "a ONU e a União Africana (UA) possam trabalhar juntas a favor de uma transição pacífica no Zimbábue".

"Estamos preparando sanções reforçadas, entre elas restrições financeiras e de viagem, contra membros concretos do regime de Mugabe", disse Brown na sessão semanal de perguntas ao primeiro-ministro na Câmara dos Comuns.

Nesse sentido, ele anunciou também que o Governo está trabalhando para impedir que a seleção nacional de críquete do Zimbábue participe de competições que ocorrerão no próximo ano no Reino Unido.

Brown insistiu em que não há condições para eleições justas no Zimbábue.

"Estamos preparados para destinar recursos substanciais ao Zimbábue assim que for restaurada a democracia", acrescentou o primeiro-ministro, que destacou que as empresas que estavam ajudando o regime de Mugabe deveriam "reconsiderar" sua posição.

As declarações de Brown foram feitas depois que o Governo do Zimbábue confirmou na terça-feira que levará à frente o segundo turno das eleições presidenciais nesta sexta-feira, apesar de a oposição ter se retirado formalmente da disputa eleitoral.

O principal partido opositor, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC), confirmou por escrito à Comissão Eleitoral do Zimbábue (ZEC) que o líder da legenda, Morgan Tsvangirai, não participará da segunda rodada das eleições presidenciais.

Segundo o partido, "eleições livres e justas são impossíveis de ser realizadas nas atuais circunstâncias".

O MDC cita a atual onda de violência e assassinatos promovida pela governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF) contra os seguidores do partido opositor como a causa principal da retirada de Tsvangirai das eleições. EFE ep/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG